//
você está lendo...
EDIÇÃO 3

E3-37 Depressão: uma perspectiva analítico comportamental

Luiz Felipe Silva Melo[i]
Gustavo Teixeira[ii]

RESUMO
Este trabalho tem por objetivo realizar uma breve revisão de literatura acerca do tema depressão. O texto irá considerar algumas visões sobre o tema, mas trará seu foco para a perspectiva analítico comportamental e os modelos derivados do laboratório com base na filosofia Behaviorista Skinneriana.

Palavras–Chave: Depressão, Reforçadores, Frequência de respostas. Desamparo aprendido. 

 

A OMS (Organização Mundial de Saúde) divulgou uma nota que pode ser vista no site do jornal O Globo[iii], enfatizando que provavelmente a depressão será a “doença” mais comum no mundo em 2030. Há uma série de questionamentos a serem feitos a respeito do que chamam de depressão e quais as possíveis causas e tratamentos. Neste trabalho, embora o enfoque seja nas possíveis etiologias consideradas pela análise do comportamento, faz-se necessário uma curta explanação sobre a visão geral que se tem desse fenômeno chamado depressão. 

O principal referencial para médicos e também alguns psicólogos para um diagnóstico de depressão é a CID-10 (Classificação Internacional de doenças) e principalmente o DSM-IV (Manual diagnóstico e estatístico de Transtornos Mentais). No DSM-IV, há uma enorme classificação de subtipos de depressão, as quais não serão abordadas especificamente, isso porque, embora existam sutis diferenças topográficas, a análise do comportamento vai partir do pressuposto que cada pessoa é única devido a sua história filogenética, ontogenética e cultural, assim o intuito de subtipos de depressão tem mais representatividade para médicos que escolhem determinados medicamentos baseados nos critérios destes manuais.  

A depressão, de acordo com o DSM-IV (1995), é caracterizada por uma série de eventos, tais como rebaixamento do humor (hipotimia), perda de interesse e prazer nas atividades cotidianas (anedonia), apatia ou agitação psicomotora, pensamentos negativos, redução do apetite, alteração do sono, diminuição de energia, pensamentos de morte e ideação suicida. Todos os termos citados acima são descrições topográficas, ou seja, descrições de formas de respostas, não levando em consideração as causas de tais comportamentos.  

Há também explicações com bases neuroquímicas que legitimam o uso de drogas antidepressivas. Tais explicações pressupõem causas biológicas, e segundo Kolb e Whishaw (2002), o fato de 70% das pessoas serem tratadas com certo êxito com essas drogas fez com que essa classe de medicamento seja uma das mais prescritas no mundo.

Os antidepressivos agem em sinapses (principalmente sinapses que contém noradrenalina e serotonina), aumentando a quantidade de neurotransmissores e disponibilidade no local. As grandes projeções de células que contém noradrenalina e serotonina no sistema límbico sugerem que a atividade de regiões límbicas, incluindo o córtex pré-frontal, é anormal na depressão. (KOLB; WHISHAW, 2002, p. 437).  

Esses trechos citados acima são meras amostras das muitas visões existentes sobre a depressão fora da análise do comportamento. Todas essas explicações acima são chamadas explicações mentalistas, que colocam exclusivamente seu objeto de intervenção no sujeito. Comportamento, para análise do comportamento, é resposta e consequência, ou seja, comportamento é interação entre organismo e ambiente. Nesse aspecto, o criador do Behaviorismo radical aponta para onde devemos focar nossos esforços para uma análise cientifica do comportamento humano:  

As variáveis externas, das quais o comportamento é função, dão margem ao que pode ser chamado de análise causal ou funcional. Tentamos prever e controlar o comportamento de um organismo individual. Esta é a nossa ‘variável dependente’- o efeito para o qual procuramos a causa. Nossas ‘variáveis independentes’- as causas do comportamento – são as condições externas das quais o comportamento é função. Relações entre as duas – as ‘relações de causa e efeito’ no comportamento – são as leis de uma ciência” (SKINNER, 2007, p. 38). 

Desse modo, fica claro que o analista do comportamento deve buscar na interação entre o indivíduo e seu ambiente físico e social as possíveis causas do chamado “quadro depressivo”.  Hünziker (1997) aponta claramente essa questão dizendo que  o analista do comportamento não irá lidar com síndrome ou doença, mas sim com um repertório único e personalizado que deve ser compreendido por meio da sua análise funcional. Toda análise funcional é única, porque todo individuo tem uma história de contingência de reforçamento singular. 

A análise do comportamento tem como seu suporte a filosofia Behaviorista Skinneriana, e um dos fatores que dão mais legitimidade a essa ciência é a reprodução em laboratório de fenômenos observados no cotidiano. Alguns modelos foram mais bem aceitos e comprovados por experiências laboratoriais. Um dos principais autores do tema é Ferster, que, em 1973, propôs um modelo acerca da depressão. De acordo com Ferster (1977), a “depressão” teria como uma de suas causas a diminuição de comportamentos positivamente reforçados e o aumento na frequência de comportamentos de fuga e esquiva de estímulos aversivos. Assim as causas da depressão estariam nessa interação do individuo com seu ambiente, que acarretaria essas relações funcionais. Há um experimento chamado de modelo de separação de Harlow & Suomi (apud Hünziker 2006)[iv], que utiliza primatas, separando o filhote da mãe, ou separando um macaco adulto do seu meio social por cerca de 30 dias. Todos os cuidados e condições de sobrevivência são ofertados ao filhote, mas esse fica privado dos reforçadores antes providos pela mãe como contato físico. Desse estudo verifica-se que o filhote apresenta redução generalizada dos seus comportamentos, caindo drasticamente sua interação com outros macacos e a ingestão de alimento, podendo levá-lo à morte. Quanto ao macaco adulto, esse fica isolado em uma gaiola e quando solto demonstra redução na locomoção e na exploração do ambiente (comparável à linha de base antes do tratamento) e há também aumento de comportamentos destrutivos. Assim esse modelo reproduz situações em que há falta de reforçadores pela privação da fonte de reforçamento social (a mãe e os outros membros da espécie). 

Outro autor muito importante que aborda o assunto é Martin Seligman. Seligman propõe a teoria do desamparo aprendido, Hünziker (1997) fala que aparentemente a extinção não é a única responsável pela aquisição do repertório dito depressivo. A teoria do desamparo aprendido diz que algumas contingências podem ensinar o individuo que seu ambiente está modificado e que de uma maneira generalizada reforçadores não estarão mais disponíveis, assim o indivíduo para de emitir resposta, mesmo não experimentando a extinção. A partir de uma situação de incontrolabilidade, o individuo, após tal experiência, para de emitir respostas diante de novos estímulos, pois genericamente, com algumas suposições de processos associativos, este indivíduo aprende que aspectos do ambiente não estão sob seu controle. 

Desamparo Aprendido é a interferência da exposição prévia a eventos aversivos incontroláveis, na aprendizagem futura, quando os eventos podem ser controláveis. Esse efeito de interferência ocorre porque os organismos, ao passarem pela experiência com eventos incontroláveis, aprendem que não há relação entre o que fazem e as conseqüências ambientais do que foi feito. (CAPELARI, 2002, p.26)

O Modelo do Desamparo Aprendido foi reproduzido em laboratório diversas vezes utilizando primeiro cães, depois uma série de outros animais, ultimamente ratos são os principais animais utilizados como sujeitos experimentais. Há diversos artigos publicados, o presente autor sugere para maiores informações sobre os procedimentos, a leitura de artigos e estudos elaborados por Maria Elena Leite Hünziker[v], grande estudiosa da área. O procedimento com os ratos (sujeitos experimentais), de acordo com Hünziker (2006), se dá pela exposição do sujeito a choques, em que, em uma hora de sessão, ficará exposto no máximo 10 min. Após 24 horas, os animais são submetidos a uma contingência de fuga em que novos choques são apresentados e podem ser desligados se o sujeito emitir determinada resposta. A aprendizagem da resposta de fuga é comparada com a de outros animais que não passaram pelo procedimento de choques e animais que foram expostos aos choques, porém de forma controlável (no sentido de que poderiam desligar o choque exibindo determinada resposta). “Os resultados obtidos mostram que apenas os sujeitos submetidos aos choques incontroláveis apresentam dificuldade de aprendizagem de fuga” (HÜNZIKER, 2006, p. 152). Alguns dos sujeitos apresentam baixa probabilidade de emitir a resposta, assim eles não entram em contato com o reforçamento negativo que está disponível (cessar os choques). 

Segundo Hünziker (2006), o modelo do desamparo aprendido é que tem mostrado maior abrangência de investigação tanto no nível comportamental como bioquímico ou farmacológico, pois são verificados que os sujeitos submetidos aos choques incontroláveis apresentam diminuição no nível de neurotransmissores como serotonina (5-HT), Noradrenalina e Dopamina. Para Seligman (apud Hünziker 2006, p. 152), “o arranjo experimental do desamparo aprendido possibilita mimetizar, no laboratório, condições que atingem o ser humano e que produzem neles comportamentos depressivos”. 

A análise do comportamento, independente do modelo de explicação da depressão, irá sempre buscar suas causas no ambiente, ou seja, irá buscar nas interações individuo – ambiente as causas das quais o comportamento humano é função, pois, identificando as consequências mantenedoras do repertório chamado depressivo, é possível fazer arranjos, mudando tais consequências, alterando assim esses padrões comportamentais.

 

REFERÊNCIAS 

CAPELARI, Angélica. Modelos Animais de Psicopatologia: Depressão. In: GUILHARDI, Hélio José et al (org.). Sobre Comportamento Cognição. Vol. 10. Santo André-SP:ESETec, 2002. cap.3, p.24-28. 

FERSTER, C.B. CULBERTSON, S. BOREN, M.C. Perrot. Depressão Clínica. In:____. Princípios do Comportamento. São Paulo: Hucitec, 1977. cap. 18, p. 699 – 725. 

Harlow, H. F. & Suomi, S.J. (1974). Induced depression in monkeys. Behavioral Biology,12, 273-296. apud HÜNZIKER, Maria Helena Leite. Estudo Experimental da depressão. In: GUILHARDI, Hélio José e AGUIRRE, Noreen Campbell de. (org.). Sobre Comportamento e Cognição.  Vol. 18. Santo André – SP: ESETec, 2006. cap. 12, p.149-155. 

HÜNZIKER, Maria Helena Leite. O desamparo aprendido e a análise funcional da depressão. In: ZAMIGNANI, Denis Roberto. (org.). Sobre Comportamento e Cognição. Vol. 03. Santo André – SP: ARBytes, 1997. cap. 20, p.141 -149. 

HÜNZIKER, Maria Helena Leite. Estudo Experimental da depressão. In: GUILHARDI, Hélio José e AGUIRRE, Noreen Campbell de. (org.). Sobre Comportamento e Cognição.  Vol. 18. Santo André – SP: ESETec, 2006. cap. 12, p.149-155. 

KOLB, Bryan; WHISHAW, Ian Q. O que provoca o comportamento? Emoção transtornos Emocionais. In:____. Neurociência do Comportamento. Barueri SP: Manole, 2002. cap.11, p.432 – 437. 

MANUAL diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM 4. 4.ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995. xxv 830p. 

Seligman, M.E.P. (1975). Helplessness: On Depression, Development and Death. Freeman: San Francisco. Apud HÜNZIKER, Maria Helena Leite. Estudo Experimental da depressão. In: GUILHARDI, Hélio José e AGUIRRE, Noreen Campbell de. (org.). Sobre Comportamento e Cognição.  Vol. 18. Santo André – SP: ESETec, 2006. cap. 12, p.149-155. 

SKINNER, B.F. Ciência e Comportamento Humano. Tradução de: João Carlos Todorov; Rodolfo Azzi. 11. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007. 489 p. 

 


[i] Acadêmico do curso de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva 

[ii] Professor supervisor de estágio do curso de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva

 [iii]http://oglobo.globo.com/vivermelhor/mat/2009/09/02/depressao-sera-doenca-mais-comum-do-mundo-em-2030-diz-oms-767426434.asp 

[iv] Verificar referência para maiores informações. 

[v] Hünziker é professora associada na Universidade de São Paulo (Instituto de Psicologia – Departamento de Psicologia Experimental)

Anúncios

Discussão

Os comentários estão desativados.

Núcleo de Publicações Acadêmicas Newton Paiva

A REVISTA DE PSICOLOGIA é uma publicação do Curso de Psicologia e desenvolvida pelo Núcleo de Publicações Acadêmicas do Centro Universitário Newton Paiva