//
você está lendo...
EDIÇÃO 3

E3-39 Mudando contingências: um caso de transtorno do pânico

Luzia de Fátima Costa Ferreira[i]
Maxleila Reis Martins Santos[ii]

RESUMO
Este artigo foi elaborado a partir de um caso clínico em atendimento na Clínica de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva.  Embasado nos pressupostos teóricos da abordagem comportamental, este artigo busca elucidar o caso de uma cliente de nome fictício Maria, que sofre de transtorno do pânico e agorafobia, abordando a ansiedade vivida pela cliente e a importância do acompanhamento psicológico e as intervenções propostas para o caso. 

Palavras- chave: Pânico, Agorafobia, Comportamento, Ansiedade,  Intervenções.

 

INTRODUÇÃO 

Para iniciar este artigo, faz-se necessário descrever um pequeno resumo do caso clínico em questão: Maria é uma jovem senhora com 45 anos de idade, separada de seu primeiro marido, com quem teve três filhos. Os filhos têm 12, 15 e 19 anos, esses moram com ela. Casou-se pela segunda vez. Desde a sua adolescência, Maria depende de sua mãe para levá-la a qualquer lugar, pois não se sente segura sem sua presença. Sofreu o primeiro ataque de pânico ainda na adolescência, não sabe dizer o porquê. E desde esse dia sua vida se transformou num emaranhado de tristeza e angústia. Segundo os autores Craske e Lewin (2007, p.113), a descrição do DSM-IV (American Psychiatric Association, 1994), quanto a esse transtorno, é definida da seguinte forma 

O transtorno de pânico envolve basicamente a experiência de períodos discretos de repentino e intenso temor ou mal-estar, (ou seja, pânico). A experiência de pânico caracteriza-se por um conjunto de sintomas físicos e cognitivos, que ocorrem de forma inesperada (ao menos em algumas oportunidades) e recorrente, e se distingue da ativação ansiosa que cresce gradualmente e das reações fóbicas ante estímulos circunscritos, claramente discerníveis. Igualmente, a profunda apreensão com os ataques de pânico desenvolve-se sob a forma de uma preocupação persistente com ataques futuros, preocupação com as conseqüências físicas, sociais ou mentais dos ataques, ou mudanças significativas do comportamento em resposta aos ataques. 

Segundo Rangé; Borba (2008, p.30) 

A “síndrome do pânico” é um transtorno de ansiedade que caracteriza obrigatoriamente pela presença de ataques súbitos e recorrentes de pânico. Contudo, pode ser também que alguns desses ataques ocorram em lugares ou situações em que já aconteceram anteriormente, ou até mesmo que sejam disparados a partir de alguma situação específica, o que é muito comum nos quadros de fobia

No caso da cliente citada acima, a mesma não relata sua insegurança em sair sozinha, pois tem medo de que algo muito ruim possa lhe acontecer se tiver desacompanhada. Esse medo bloqueou parte de sua alegria de viver, pois segundo os seus relatos, desde a sua adolescência, não faz nada sozinha sem a presença de sua mãe, não se sente segura com mais ninguém, nem mesmo com o marido  ou com os filhos. Maria relata isso desde que chegou à Clínica de Psicologia e pede ajuda para vencer esse medo de sair sozinha, além do medo de sentir-se mal em lugares públicos. De posse de todos os relatos descritos pela cliente no decorrer de várias sessões, e após ter estudado sobre o assunto, se faz pertinente, então, a definição do transtorno de pânico sofrido pela cliente, que é descrito na literatura como “ataque de pânico com agorafobia”, pois, segundo Echeburúa; Corral (2007, p. 89)

A agorafobia é constituída por um conjunto de medo de lugares públicos-especialmente quando o paciente está sozinho, como sair á rua, utilizar transportes públicos e ir a lugares muito freqüentados (supermercados, cinemas, igrejas, estádios de futebol, etc.), que produzem uma interferência grave na vida diária. A este medo nuclear podem somar-se alguns outros medos externos, como subir em elevadores, atravessar túneis, cruzar pontes, etc.., bem como medos internos, como a preocupação excessiva com as sensações somáticas( palpitações, vertigens, enjôos, etc.) ou o medo intenso dos ataques de pânico. 

Pode-se perceber que um dos sintomas que definem o transtorno de pânico sofrido pela cliente é o medo de lugares públicos, produzindo sintomas físicos que causam muita ansiedade e angústia. As variáveis ambientais são fatores que podem influenciar, pois se percebe pelos relatos da cliente que a mãe contribuiu, e ainda contribui, para a manutenção do seu comportamento, pois a mesma está sempre disponível para a filha em todos os momentos, com isso acentuando o comportamento de fuga/esquiva da filha, isto é, a cliente sempre se esquiva de contingências aversivas a ela, lugares que, estando sozinha, esses lhe causam grande ansiedade. Segundo Rangé; Borba (2008, p.57)  

A fuga do ambiente ou da situação causadora da ansiedade acaba reforçando o pânico, pois a cada vez que uma pessoa foge de uma situação ameaçadora, o alívio decorrente reforça o comportamento que o produziu, construindo aquilo que é chamado “resposta de fuga”.  

Ainda segundo os autores (2008, p.55), “quem experimenta um ou mais episódios imprevisíveis de pânico passa a ter reações alteradas. Após um período, talvez comece a vivenciar os chamados ciclos de pânico”. Isto é, diante da ansiedade que antecipa o provável ataque, a pessoa se sente desconfortável por imaginar coisas catastróficas que poderiam lhe acontecer, e não consegue dar continuidade aos seus planos. Foge ou esquiva de qualquer situação que lhe causa desconforto com medo de perder o controle sobre si mesmo, com isso reforçando o ciclo de pânico que envolve: ansiedade antecipatória, fuga/alívio, imagens catastrófica. 

Diante desses comportamentos desajustados da cliente, produtores de sofrimento e limitações em sua vida, a estagiária planejou algumas técnicas de intervenção comportamental que deram resultados satisfatórios. O primeiro passo foi passar para a cliente informações sobre o que vem a ser o transtorno de pânico e agorafobia, explicando porque as respostas de ansiedade e de fuga-esquiva acontecem, assim como o surgimento dos pensamentos disfuncionais que contribuem para o aumento da ansiedade. A cliente, ciente dos sintomas fisiológicos e psicológicos, pôde compreender melhor o que se passa com ela desde a fase de ansiedade antecipatória até o alívio final, dado pela esquiva ou fuga. 

 Dando continuidade ao processo psicológico, além da interação verbal, assim como da audiência não punitiva, das reflexões solicitadas e interpretações feitas pela estagiária, com o objetivo de favorecer o autoconhecimento da cliente, houve a utilização de outras técnicas, como, por exemplo, estratégia A.C.A.L.M.E.-S.E., treino respiratório, exposição interoceptiva, exposição situacional gradual e prolongada. 

Essas intervenções tiveram como objetivo demonstrar para a cliente que a formação do ciclo de pânico tem como consequência a fuga/esquiva e a mesma é que mantém esse transtorno de ansiedade que tanto a incomoda. Portanto, ela deveria tentar manejar seu comportamento de modo a extinguir esse ciclo. Gradativamente, foi passada para a cliente toda a estratégia comportamental, visando produzir melhoras em relação às limitações que tinha em sua vida, sempre reforçando os pequenos avanços da cliente e o seu comprometimento com as tarefas de casa propostas pela estagiária, como, por exemplo, toda vez que se sentir ansiosa por algum motivo, recorrer  á técnica A.C.A.L.M.E.SE, além de começar a fazer caminhada perto de sua casa, mesmo que fosse apenas no quarteirão de sua residência. Foi incentivada pela estagiária a tentar o máximo possível a exposição gradual  aos lugares que lhe causassem mal- estar. 

O caso continua em atendimento. E a cliente tem tido melhoras comportamentais significativas, assim como consegue sair sozinha com o marido, comportamento  que só conseguia na presença da mãe, sai também sozinha com o filho. Realizou um grande sonho que é frequentar o sítio da família, viajou recentemente para sua cidade natal, que fica a 450km de B.H, entre outros comportamentos está também o desenvolvimento do sentimento de autoconfiança, promovida pelo processo de exposição da terapia.


REFERÊNCIAS 

CABALHO, Vicente E. Tratamento Psicológico da Agorafobia.  In:____.  Manual para o Tratamento Cognitivo-Comportamental dos Transtornos Psicológicos: Transtornos de ansiedade, sexuais, afetivos e psicóticos. São Paulo:Santos, 2007.  

________ENRIQUE Echeburua e Paz de Corral. cap. 3. p. 89-112 

________Transtorno de Pânico.  Michelle G. Craske; Michael  R. Lewin.  Cap. 4. p. 113-136 

RANGÉ, Bernard P; BORBA, Angélica G.Informações ao Cliente.In:_____.  Vencendo o Pânico: terapia integrativa para quem sofre e para quem trata o transtorno de pânico e agorafobia.Rio de Janeiro: Cognitiva. 2008, p. 25-62.


[i] Acadêmica do 10º período do Curso de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva 

[ii] Professora e supervisora de estágio do curso de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva

Anúncios

Discussão

Os comentários estão desativados.

Núcleo de Publicações Acadêmicas Newton Paiva

A REVISTA DE PSICOLOGIA é uma publicação do Curso de Psicologia e desenvolvida pelo Núcleo de Publicações Acadêmicas do Centro Universitário Newton Paiva