//
você está lendo...
EDIÇÃO 3

E3-40 Relações alienadas

Marcela Oliveira Caetano Martins[i]
Raquel Neto Alves[ii]

RESUMO
O objetivo deste estudo é compreender a relação que o indivíduo tem com as pessoas de forma alienada, inautêntica. Apresentar as consequências desse tipo de interação, que, várias vezes, leva a pessoa a se sentir insegura passiva e dependente. 

Palavras-chave: Relacionamento interpessoal, Objeto, Alienação.

 

Augras (1993) define o homem como ser social, sendo que seu crescimento individual depende, em todos os aspectos, do encontro com os demais. Para ela, o mundo humano é essencialmente mundo da coexistência. Muitas perturbações individuais, ainda segundo a autora, se situam principalmente no plano do relacionamento.  

Romero (2001) tambémentende a existência humana em suas manifestações saudáveis ou patológicas como referentes ao modo de se relacionar com o outro.

O relacionamento entre dois ou mais indivíduos, em termos de interação, segundo o autor, constitui o interpessoal. Para Romero, a formação da pessoa passa por toda uma trama de relacionamentos interpessoais e, nessa trama, pauta-se o estilo de relacionamento predominantemente do sujeito e o modelo de interiorizar o outro (ROMERO, 2001). 

Romero atenta para o fato de que quando se reduz uma pessoa a sua mera função, ignorando-a por completo como agente consciente de seu papel, está-se coisificando-a. O indivíduo, nesse caso, ocupando o lugar de objeto de outro, encontra-se alienado. “Aliernar-se é tornar-se alheio a sua própria realidade” (ROMERO, 2001, p. 79).

Buber (2001) se destaca por realizar também uma reflexão sobre a existência humana, porém de forma muito específica. Buber (2001) efetua uma verdadeira fenomenologia da relação humana. Para ele, o homem é um ente de relação, ou seja, a relação lhe é essencial ou, ainda, fundamento de sua existência. O autor acentua, de modo claro, radical e definitivo, as duas atitudes distintas do homem face ao mundo ou diante do ser.  

Tais atitudes se traduzem pela palavra-princípio Eu-Tu e Eu-Isso, sendo que a primeira é um ato essencial do homem, atitude de encontro entre dois parceiros na reciprocidade e na confirmação mútua, e a segunda é a experiência e a utilização, atitude e objetivante (BUBER, 2001). 

O filósofo defende a relação Eu-Tu como um tipo de relação que maximiza o valor do outro enquanto ser de presença. Nessa relação, há reciprocidade. 

Assim, o outro não deve ser reduzido a predicativos, ou seja, não deve ser visto como condição de objeto, mas de ser que não pode ser representado, onde há de fato o encontro e o reconhecimento mútuo (FERNANDES, 2007). 

Já no mundo do Eu-Isso, Fernandes (2007) aponta para o fato de que tudo que se passa é instituído por um dizer, que jamais consegue ser essencial, perdurante, intrínseco e íntimo, ou seja, total. 

Fernandes (2007) pontua que na relação Eu-Isso, o humano não se encontra livre. Ele está preso às objetividades de seus direcionamentos, do mesmo modo como está preso ao subjetivismo de seus sentimentos e emoções. 

Brito (2008) diz que na relação Eu-Isso o Eu se revela como limitador da condição do outro, o vendo apenas como meio favorável a seus fins ou como um limitador de sua liberdade. Para a autora, o estado de dependência do outro retira a autenticidade da relação e a autonomia das partes envolvidas. Depender do outro é permanecer escravizado às influências e determinações externas. Não há, nessa perspectiva, individualidade. A pessoa é dominada por uma vontade alheia e, portanto, levada a admitir que é limitada em sua liberdade. 

Apesar disso, não se pode dizer, de acordo com Buber (2001), que a atitude Eu-Isso seja algo negativo ou inferior. O pensador reforça que as duas atitudes  se atualizam sucessivamente em um ritmo constante, mas não podem ser tomadas simultaneamente. 

Assim, a relação Eu-Isso, torna-se um problema quando o sujeito se cristaliza apenas nessa relação (ARAÚJO, 2010). 

Diante do exposto, em uma de suas reflexões, Buber afirma que “o homem não pode viver sem Isso, mas aquele que vive somente com o Isso não é homem” (BUBER, 2001, p.39). 

Para ilustrar uma das maneiras de se relacionar com o outro, descrita anteriormente apresenta-se o caso da cliente A., que está sendo atendida há 2 meses.

A apresentação do caso propõe elencar a inautenticidade e o comprometimento das relações interpessoais vivenciadas pela cliente e percebidas ao longo dos atendimentos psicoterapêuticos. 

A. fazia acompanhamento de Orientação Profissional na Clínica de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva e foi encaminhada para a psicoterapia devido à dificuldade da mesma em lidar com questões pessoais, principalmente as relacionadas ao âmbito familiar. 

A., sexo feminino, 27 anos, solteira, formada há 1 ano em Designer Gráfico. É filha única, reside com os pais e atualmente não está trabalhando, fato que, segundo ela, tem sido uma das maiores dificuldades hoje em dia em sua vida.

A.  relata não gostar de sua profissão. Diz que nunca trabalhou na área e que há um ano encontra-se desempregada. Além de não gostar da profissão, a cliente não sabe do que gosta realmente. 

Diz que os pais fazem tudo por ela, mas, por outro lado, cobram muito também. Relata que em casa é o centro das atenções e que não gosta de ocupar essa posição. Sente-se sufocada com a grande proteção dos pais, principalmente da mãe. Diz que a mãe, quando está em casa, quer ficar o tempo todo ao lado dela. Quer saber de suas conversas no MSN, ler seus e-mails junto dela, dentre outras coisas. A. conta que, muitas vezes, cede à vontade da mãe para não haver discussão, porém vai guardando suas insatisfações. Pergunto o que a mãe acha sobre o fato de ela não gostar da profissão e de não estar trabalhando, e A. diz que para a mãe tudo é uma questão de tempo. A mãe acredita que a filha ainda vai entrar no mercado de trabalho e descobrir que gosta da profissão.  

Em relação às amizades, A. diz ter poucos amigos. Conta que, há um mês, sua melhor amiga mudou-se para São Paulo e ela tem se sentido muito perdida e sozinha. Relata que seus outros amigos moram em outra cidade, o que, para ela, dificulta a convivência. Além disso, A. diz que todos os seus amigos estão namorando, menos ela. Dessa forma, ela não tem muita companhia para sair.  

A. relata que há 3 meses terminou um namoro de 2 anos. Segundo ela, o namorado terminou o relacionamento por ela não estar trabalhando, por isso esse fato é tão difícil para ela hoje em dia. Ultimamente, eles têm se encontrado constantemente. O ex-namorado está querendo voltar a namorá-la, mas ele tem saído com uma colega de trabalho e não sabe como terminar o relacionamento. A. diz que para ela a situação está muito difícil, pois percebe que o ex-namorado quer ficar com as duas, mas, por outro lado, ela não consegue colocar um ponto final na relação por gostar muito dele. 

A cliente diz ser uma pessoa extremamente tímida. Diz que a terapia faz muito bem para ela, pois não tem com quem conversar. Diz sentir-se muito insegura, principalmente devido ao fato de os pais a tratarem como criança, principalmente sua mãe, apesar de seus 27 anos.

 Ao longo das sessões de psicoterapia, A. frequentemente reclama de sua mãe e de sua sensação de sufoco, uma vez que faz tudo o que sua mãe solicita. Ela diz que mesmo sem querer, acaba optando por fazer valer as opiniões da mãe. 

Apoiados em suas experiências descreve que o filho está muitas vezes preso à mãe no sentido de que aprende a se sentir recompensado somente agradando-a. É como se sua potência só lhe fosse acessível para cumprir as grandes expectativas da mãe a seu respeito (MAY, 2000,p.106). 

Diante desse contexto, A. sente-se, segundo suas palavras, insegura e perdida. 

“Não sinto que posso ser eu mesma em casa. Minha mãe regula até o que eu posso ou não sentir” (sic). 

Quando falam sobre falta de autonomia ou lamenta sua incapacidade para tomar decisão, torna-se logo evidente que seu verdadeiro problema é não ter uma experiência definida de seus próprios desejos e necessidades. Oscilam desse modo para aqui e para ali, sentindo-se dolorosamente impotentes porque ocas,vazias. (MAY, 2000, p.14)

Ainda de acordo com May (2000), a sensação do vazio decorre da ideia de incapacidade para fazer algo de eficaz a respeito da própria vida. Assim, o vácuo interior é o resultado acumulado, a longo prazo, dessa convicção pessoal de ser incapaz de dirigir a própria vida, de modificar a atitude das pessoas em relação a si mesmo ou exercer influência sobre o mundo pelo  qual é rodeado. 

Observa-se que A. ocupa um papel de objeto para a mãe. Percebe-se que nesse relacionamento mãe x filha, o outro não é visto como outro em sua alteridade, marcando a relação Eu-Isso, nomeada por Buber (2001). 

O pensador afirma que “em si o Eu-Isso não é um mal; ele se torna fonte de mal, na medida em que o homem deixa subjugar-se por esta atitude” (BUBER, 2001, p. 37).  

Segundo May (2000), não é tarefa simples desvincular-se de alguém. Esse corte se concretiza numa grande explosão de liberdade, ou num “estouro” contra os pais. A pessoa anseia em permanecer em um nível imaturo, atada ao cordão umbilical psicológico e recebendo a pseudoproteção e os mimos dos pais, em troca da independência. 

Além do relacionamento inautêntico ou alienado com a mãe, A. mostra-se muito passiva em seu relacionamento amoroso, com seus amigos e familiares. Ela conta que uma das queixas que seu ex-namorado fez em relação a ela, foi justamente o fato dela não ter atitude no relacionamento e na vida (segundo ele, A. encontra-se desempregada por não ter atitude de procurar um emprego). Ela diz se sentir magoada com o ponto de vista do ex-namorado, mas relata que, muitas vezes, não se mostrou ativa durante o namoro por querer agradar o namorado, deixando que sua decisão prevalecesse. 

Percebe-se que A. submete-se às pessoas por medo de perdê-las. Em vários momentos, durante os atendimentos, relatou ter receio de perder o amor e a atenção do namorado caso venha a contrariá-lo. Além disso, a cliente demonstra temer a perda da proteção da mãe, fato que sustenta sua alienação na relação. 

Para May (2000), uma vez que o que a pessoa sente e deseja não tem verdadeira importância, ela, em breve, renuncia a sentir e a querer. 

A inautenticidade pode ser vivenciada por uma queda objetiva ou subjetiva. A queda subjetiva pode “ocorrer quando a pessoa vive em grande parte, em função dos ditames dos outros, deixando que estes determinem o seu modo de existir. Isso significa omitir-se da responsabilidade de ser-si-próprio”. A queda objetiva pode ser caracterizada “quando há uma eleição por um objeto que anestesie os conflitos existenciais particular” (RIBEIRO, 2002, p. 582).  

A análise da existência de A. permite inferir que é baseada numa relação alienada com o outro, em que a subordinação da pessoa ao outro acontece de forma explicita. A. encontra-se imersa num estado de dependência do outro, abdicando-se de sua autenticidade e liberdade.  

A autenticidade, segundo May (2000), está relacionada à autoconsciência, ou seja, à consciência que o indivíduo tem de sua existência, de seu ser, seus desejos, limitações, sua unicidade, as escolhas que permeiam sua vida, quando se associa a viver o presente, em sua realidade concreta. 

Assim, o trabalho na psicoterapia de A. tem sido criar possibilidades para desenvolver maior conscientização de si, facilitar para que se busque um sentido mais próprio para sua vida, ampliando suas possibilidades de ser e estar no mundo, enfim, de existir.

 

REFERÊNCIAS 

ARAÚJO, Ariana Maria Leite – O diagnóstico na abordagem fenomenológica-existencial. Revista IGT na Rede, V.7, Nº 13, 2010, Página 319-323. Disponível em: <http://www.igt.psc.br/ojs/ ISSN 1807-2526.> Acesso em: 20 mar. 2011. 

AUGRAS, Monique. O Ser da compreensão: fenomenologia da situação de psicodiagnóstico. 3 ed. Petrópolis: Editora Vozes,1993. 

BRITO, R.S. O significado do outro e a impossibilidade da relação eu-tu. Revista Filosofia Capital .Vol. 3, Edição 7, Ano 2008. 

BUBER, Martin. Eu e tu. 5. ed. São Paulo: Moraes, 2001. p. 170.

FERNANDES, Marcos Aurélio. O que significa dizer Tu?” – Meditação acerca das palavras fundamentais “Eu-Tu” e “Eu-Isso”.Rev. abordagem gestalt. [online]. 2007, vol.13, n.2, p. 195-205. ISSN 1809-6867. Acesso em 3 abr. 2011.

MAY, Rollo. O homem à procura de si mesmo. 27. ed. Petrópolis: Vozes, 2000. 

RIBEIRO, Wânier A. Identificação precoce do alcoolismo: uma estratégia interdisciplinar de Prevenção. In_Iniciação Científica Newton Paiva: 2002-2003. Belo Horizonte: Newton Paiva, 2004. 

ROMERO, Emílio. O inquilino do imaginário: formas de alienação e psicologia. 3.ed. rev. e ampl. São Paulo: Lemos, 2001. p. 330. 


[i] Acadêmica do 10º período do curso de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva 

[ii] Professor supervisor de estágio do curso de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva

Discussão

Os comentários estão desativados.

Núcleo de Publicações Acadêmicas Newton Paiva

A REVISTA DE PSICOLOGIA é uma publicação do Curso de Psicologia e desenvolvida pelo Núcleo de Publicações Acadêmicas do Centro Universitário Newton Paiva