//
você está lendo...
EDIÇÃO 3

E3-48 A solidão na contemporaneidade

“Um homem não é outra coisa se não o que faz de si mesmo”. (Sartre) 

Rogéria Aparecida Lázaro[i]
Raquel Neto Alves[ii] 

RESUMO
Este artigo objetiva abordar os temas da solidão e do vazio no cotidiano. A convivência social leva o homem a uma postura que nem sempre é a da sua preferência. Muitas vezes, este homem se aliena de si mesmo, o que pode acarretar um vazio e um sentimento de incapacidade para fazer algo de ativo sobre sua própria vida e sobre o ambiente em que vive. 

Palavras-chave: Homem, Solidão, Vazio existencial.

 

Alguns sentimentos, como a solidão, despertam dificuldades ao vivê-los, assim como num determinado momento pode-se ter a sensação de mal-estar que invade e origina uma percepção de rejeição ou baixa autoestima e uma não apreensão do vazio existencial. Este artigo tem como objetivo abordar os temas da solidão e do vazio no cotidiano. A convivência social leva o homem a uma postura que nem sempre é a sua preferência. Muitas vezes, este homem se aliena de si mesmo o que pode acarretar um vazio e uma ideia de incapacidade para fazer algo de ativo sobre sua própria vida e sobre o ambiente em que vive. 

Angerami – Camon afirma que, “A solidão é, na verdade, uma condição imanente ao homem, faz parte da própria vida. Só que em certos momentos a percebemos mais agudamente, e não sabemos como lidar com ela” (ANGERAMI – CAMON, 1990, p.9).  

May fala do vazio existente no homem, 

Um ser humano não é oco num sentindo estático, como se fosse uma bateria precisada de nova carga. A sensação de vazio provém, em geral, da idéia de incapacidade para fazer algo de eficaz a respeito da própria vida e do mundo em que vivemos. O vácuo interior é o resultado acumulado, a longo prazo, da convicção pessoal de ser incapaz de agir como uma entidade, dirigir a própria vida, modificar a atitude das pessoas em relação a si mesmo, ou exercer influência sobre o mundo que nos rodeia. Surge assim a profunda sensação de desespero e futilidade que a tantos aflige hoje em dia. E, uma vez que o que a pessoa sente e deseja não tem verdadeira importância, ela em breve renuncia a sentir e a querer. A apatia e a falta de emoções são defesas contra a ansiedade […]. (ROLLO MAY, 2002, p.22). 

O desejo pessoal parece estar subjugado diante da opinião pública. A convivência sobrepõe normas que desencadeiam a incapacidade de aceitá-las, produzindo uma angústia e apatia diante do querer particular. Surge a alienação, que é sinônimo de solidão e é uma característica do homem atual. 

O ficar só é assustador quando é sentido como um isolamento, o “medo da solidão” passa a ser uma ameaça quando essa não é concebida como um valor positivo. Percebe-se que a falta de convicção em relação ao que se deseja e o que sente diante de uma situação traumática podem gerar uma reação de procurar outras pessoas em busca de apoio e de orientação. O outro e a ausência dele têm um papel importante na existência.  

Apresento um fragmento do caso de “C”, cliente atendida por mim na Clínica da Newton: A cliente começou falando que já fez terapia anteriormente. Disse que está se sentindo muito irritada, perdendo a paciência com as pessoas no trabalho, que se sente insatisfeita e incomodada. Relatou que faz tratamento psiquiátrico, mas não está resolvendo. Pediu um remédio para acalmar e foi receitado fluoxetina de 20mg. Achou “fraco”, e o médico na consulta seguinte receitou sertralina de 50mg. Ainda achou “franco” e então se lembrou de fazer terapia.

A cliente contou que atualmente tudo que conversam com ela a deixa irritada. Chega em casa meio triste, mas o que mais a incomoda é a presença de uma amiga do seu namorado. Essa amiga está dormindo em sua casa e diz que irá cuidar dela até que seu namorado retorne de uma internação em uma clínica para desintoxicar por uso de drogas.  

”C” mora com três filhos. Possui mais uma filha casada que é de seu primeiro relacionamento. Em seguida, ficou casada por quinze anos e teve os dois filhos que hoje são adolescentes. Separou-se por causa de infidelidade dele, e após a separação, ficou sabendo que esse marido molestava sua filha. Ela o denunciou e ele ficou preso por quatro anos. Hoje ele frequenta a casa de sua filha casada e eventualmente dorme em sua casa.  

Do relacionamento com a amiga do namorado, resultou um envolvimento sexual que a deixa em um dilema, que é aceitar este envolvimento homossexual e a ajuda cordial com os afazeres domésticos, olhar sua filha e até um tratamento maternal quando a cliente está doente. Segundo May: 

A aceitação social, o “ser estimado” tem tanta importância porque mantém à distância esta sensação de isolamento. Quando a pessoa está cercada de cordialidade, imersa no grupo, é reabsorvida, como se voltasse ao ventre materno, em simbologia analítica. Temporariamente esquece a solidão, embora ao preço da renúncia à sua existência como personalidade independente. Perde assim a única coisa que a ajudaria positivamente a vencer a solidão a longo prazo, isto é, o desenvolvimento de seus recursos interiores, da força e do senso de direção, para usa-los como base de um relacionamento significativo com os outros seres humanos. (ROLLO MAY, 2002, p.29) 

Pode-se perceber que a cliente sofre com as críticas dos filhos em relação à presença da amiga homossexual em casa e a defende dizendo não querer magoá-la. A ajuda recebida a faz esquecer a sensação de isolamento diante da aceitação social, além de se magoar não dando verdadeira importância ao que sente e deseja.

A cliente contou que aos 15 anos aceitou o convite de uma amiga para morarem juntas e dividir as despesas. Aos 19 anos, sua amiga mudou-se para Paris e ela comprou um barracão. Estava grávida de sua primeira filha e morou na casa dos pais por quatro meses até terminar a reforma de sua casa. Relata que foi muito bem tratada e acolhida pelos pais e que eles curtiram a neta. Ainda contou que sente muito por não ter estado presente no fim de vida de seu pai para cuidar dele como fez com sua mãe. 

Percebe-se, em alguns momentos, que a cliente teme a solidão e busca um conforto que está contido no passado familiar, ou seja, no Outro. Para Angerami- Camon: 

O outro não existe apenas enquanto conceito instrumental. O Outro existe dando conceituação a minha própria existência. […] E com efeito o Outro não é somente aquele que vejo, senão aquele que me vê. Percebo o Outro na medida em que ele é um sistema complexo de experiências fora de alcance e através do qual figuro como sendo apenas um objeto entre tantos outros. (ANGERAMI-CAMON, 1990, p.5) 

Ao pedir para aumentar a dose de remédios psiquiátricos, a cliente está pedindo socorro diante de uma situação que a assusta por se ver obrigada a tomar decisões. Ela disse ficar irritada com todos a sua volta e querer dormir. Em seguida, diante de seus relatos, ela não se posiciona realmente, parece querer uma solução mágica e não se permite viver um processo de construção para uma solução de sua situação. Falta-lhe esperança e busca a saída no Outro. 

O homem contemporâneo sofre uma desesperança, que se apresenta por várias facetas de sofrimento. A ausência do Outro é um dos maiores fantasmas dessa realidade. Segundo Angerami-Camon: “A solidão é, assim, a configuração extremada da ausência do Outro. O Outro que se torna presente pela própria ausência configura em meu ser sua necessidade”. (ANGERAMI-CAMON, 1990, p.6)

 

REFERÊNCIAS

ANGERAMI-CAMON, Valdemar A. Solidão. A ausência do outro. São Paulo: Pioneira, 1990.

MAY, Rollo. O homem à procura de si mesmo. Tradução de Áurea Brito Weissenberg. 29. ed. Petrópolis: Vozes, 2002. 


[i] Acadêmica do 10º período do curso de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva

[ii] Professora supervisora de estágio do curso de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva

Anúncios

Discussão

Os comentários estão desativados.

Núcleo de Publicações Acadêmicas Newton Paiva

A REVISTA DE PSICOLOGIA é uma publicação do Curso de Psicologia e desenvolvida pelo Núcleo de Publicações Acadêmicas do Centro Universitário Newton Paiva