//
você está lendo...
EDIÇÃO 3

E3-13 Transtorno obsessivo-compulsivo: uma visão analítico-comportamental

Carla Daniela Monteiro Saldanha[i]
Maxleila Reis Martins Santos[ii] 

RESUMO
O objetivo desse artigo é caracterizar o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) e apresentar as intervenções mais utilizadas pelos analistas do comportamento. O TOC é o quarto transtorno psiquiátrico mais frequente na população mundial. Esse transtorno será analisado a partir da análise do comportamento, uma vez que a mesma se mostrou de grande eficácia no tratamento do TOC nos últimos anos. A importância desse trabalho se deve ao aumento do número de pessoas diagnosticadas com esse transtorno. 

Palavras-chave: Transtorno obsessivo-compulsivo, Análise do comportamento, Tratamento. 

 

INTRODUÇÃO

Transtorno obsessivo-compulsivo, conhecido como TOC, de acordo com DSM IV (1997), é um problema crônico em que o indivíduo sofre desconforto e ansiedade, por não conseguir interromper pensamentos e/ou rituais obsessivos. O TOC acomete na mesma proporção homens, mulheres e crianças. Estimou-se que, em 20% dos casos, ele tem início na infância e desses, o sexo masculino tem maior probabilidade de ser afetado. Entretanto, o maior número de casos registrados tem início na adolescência e inicio da fase adulta, e esse transtorno é considerado atualmente como o quarto diagnóstico psiquiátrico mais frequente no mundo (ZAMIGNANI; VERMES, 2002). 

Segundo Zamignani; Labatte (2001), os comportamentos obsessivos são comportamentos/pensamentos, ideias ou imagens (essas podendo ser auditivas ou visuais) sempre persistentes, causando ansiedade ou sofrimento ao indivíduo. Já as compulsões são comportamentos abertos ou encobertos repetitivos, em que o indivíduo sente-se forçado a executar algum comportamento que não é de sua vontade. Desse modo, a compulsão pode, ou não, ser estereotipada, e esses comportamentos têm como função a prevenção de eventos de fuga/esquiva de estímulos ou obsessão (pensamentos) incômodos, assim, quando o ato de compulsão acaba, o indivíduo, geralmente, sente um alivio temporário de ansiedade.  

Os sintomas mais frequentes encontrados em um indivíduo diagnosticado com esse transtorno são: os rituais de checagem e verificação, a necessidade de ter objetos em um determinado lugar alinhados e simétricos, rituais de limpeza e lavagem, medo de contaminação, preocupação em se ferir ou ferir os outros etc. A presença de uma ou mais compulsões e/ou obsessões citadas acima é um fator gerador de sofrimento ao portador desse transtorno e aos seus familiares. Segundo Zamignani; Vermes (2002), frequentemente as pessoas acometidas com esse transtorno escondem de amigos e familiares essas ideias e comportamentos, por vergonha e por terem noção do absurdo das exigências autoimpostas. Muitos desconhecem que esses problemas fazem parte de um quadro psicológico tratável e cada vez mais responsivo a medicamentos específicos e à psicoterapia.  

As obsessões tendem a aumentar a ansiedade ao passo que a execução de compulsão reduz. Porém, se o indivíduo resiste à realizacão de uma compulsão ou é impedida de fazê-la, surge intensa ansiedade. De acordo com Silva; et al (2006), o indivíduo pode perceber que a obsessão é irracional e reconhecê-la como um produto de sua mente, experimentando tanto a obsessão quanto a compulsão como algo fora de seu controle e desejo, o que causa muito sofrimento. Dessa forma, esse problema passa a ser incapacitante, no momento em que as obsessões podem consumir tempo e interferirem significativamente em sua rotina normal, assim como em seu trabalho, nas suas atividades sociais ou nos relacionamentos com amigos e familiares.

A análise do comportamento interpreta os comportamentos do TOC basicamente como comportamentos de esquiva. Na visão de Zamignani; Vermes (2003), as contingências de esquiva servem como manutenção das respostas relacionadas à queixa do obsessivo-compulsivo, entretanto a função de esquiva não é a única função mantenedora dos comportamentos de ansiedade, para esses autores outras funções também podem manter os comportamentos-problema. O terapeuta comportamental deverá investigar todas as possíveis consequências ambientais que mantêm classes de respostas. 

Para Chacon; et al (2001), a Terapia Comportamental tem sido reconhecida pela efetividade no tratamento do transtorno obsessivo-compulsivo. Os bons resultados obtidos no tratamento de clientes a ela expostos se dá a partir das técnicas comportamentais principalmente àquela denominada exposição com prevenção de respostas (EPR). 

O procedimento de exposição com prevenção de respostas consiste no enfrentamento sistemático e gradual dos estímulos causadores da ansiedade, é recomendado como principal estratégia de intervenção (ZAMIGNANI; ANDERY, 2005). 

A EPR, de acordo com Abreu (2010), refere-se à exposição gradativa e sistemática a eventos ansiogênicos. O novo comportamento acontece com a prevenção de respostas, que seria o impedimento da emissão dos comportamentos compulsivos. Dessa forma, as obsessões e a urgência em ritualizar diminuiriam de frequência. Após a extinção do comportamento- problema, muitos relatam um vazio característico após terem sido submetidos à EPR. 

Existem outras estratégicas de intervenção propostas por Zamignani e Vermes (2003), tais como: variações no uso de técnica de exposição com prevenção de respostas (EPR); a relação terapêutica como instrumento de intervenção, a instalação de novos repertórios sociais e o fortalecimento de repertórios já existentes e a extensão da análise e intervenção aos familiares e outras pessoas envolvidas com o cliente. 

No caso de atendimento de indivíduos acometidos pelo TOC, para Chacon; et al (2001), uma alternativa ao terapeuta analítico-comportamental seria a exposição do cliente a episódios aversivos, desse modo ele poderia enfrentar os eventos eliciadores de ansiedade e entrar em contato com reforçadores naturais importantes. A partir disso, o trabalho em ambiente natural facilita ao profissional observar diretamente as possíveis contingências que mantêm os comportamentos-problema do cliente e apresenta a ele consequências imediatas.  

As combinações entre os tipos de atendimento, consultório e extra-consultório, podem ser diversas, dependendo da necessidade do cliente. Em alguns casos, a combinação de atendimento em consultório e em ambiente natural pode ser bastante eficaz, em outros, as sessões podem ser desenvolvidas com sucesso dentro do consultório ou ainda o trabalho pode requerer atendimento primordialmente externo (CHACON; et al, 2001).
O aspecto mais distinto da Terapia analítico-comportamental, na visão de Wolpe (1981), é o comando feito pelo terapeuta em relação à estratégia geral da terapia quanto ao controle de seus detalhes à medida que prossegue o tratamento, desenvolvendo uma avaliação funcional criteriosa dos comportamentos-problema ao longo do seu histórico e desenvolvimento. Quando um tipo de técnica falha em obter mudança em comportamentos, imediatamente outra é tentada. Em contrapartida, quando há mudanças comportamentais desejadas, essa técnica é mantida e/ou reforçada.  

Na visão de Prazeres; Souza; Fontenelle (2007), a técnica de exposição e prevenção de resposta resulta em benefícios significativos ao indivíduo com predominância de pensamentos obsessivos e sua modalidade em grupo também produz redução significativa dos sintomas obsessivos e compulsivos. 

As considerações relativas às intervenções analítico-comportamentais, feitas ao longo deste artigo, têm como meta não apenas apontar a extinção ou fazer a diminuição da frequência e intensidade de respostas obsessivo-compulsivas e de outras respostas. A análise e a alteração de padrões comportamentais mais amplos, além do quadro de TOC, que provavelmente vêm trazendo sofrimento ao indivíduo e às pessoas relacionadas a ele, são primordiais para um maior sucesso em relação aos resultados alcançados com a terapia e para uma melhora na qualidade de vida. 

 

REFERÊNCIAS

ABREU, Paulo R. Técnicas e Terapia Comportamental: passado e presente. 2010. Disponível em: <http://www.iaccsul.com.br/content-layouts/35-coluna-iacc/48-tecnicas-e-terapia-comportamental-passado-e-presente.&gt; Acesso em: 8 dez. de 2010.

CHACON, Priscila. et al. Subtipos clínicos do TOC e suas implicações para o tratamento. In: GUILHARDI, Hélio José, et al. Sobre Comportamento e Cognição: expondo a variabilidade.2001.v.8.cap.29.p.213-223.

PRAZERES, Angélica Marques; SOUZA, Wanderson Fernandes de, FONTENELLE, Leonardo F. Terapias de base cognitivo-comportamental do transtorno obsessivo-compulsivo: revisão sistemática da última década. Rev. Bras. Psiquiatr. [online]. 2007, vol.29, n.3, p. 262-270.  Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbp/v29n3/2420.pdf.&gt; Acesso em: 17 de mar. de 2010.

SILVA, Dácio, et.al. Transtorno obsessivo – compulsivo (TOC): características, classificação, sintomas e tratamento. Rede Psique. 2006. Disponível em: <http://www.redepsi.com.br/portal/modules/smartsection/print.php?itemid=325.&gt; Acesso em: 11 de nov. 2010.

WOLPE, Joseph. Prática da terapia comportamental. 4. ed. Brasiliense, 198. 326 p. 

ZAMIGNANI, Denis Roberto; ANDERY, Maria Amalia Pie Abib. Interação entre Terapeutas Comportamentais e Clientes Diagnosticados com Transtorno Obsessivo-Compulsivo. Psicologia: Teoria e Pesquisa.. Jan-Abr 2005, Vol. 21 n. 1, p. 109-119. Disponível em <http://www.scielo.br/pdf/ptp/v21n1/a15v21n1.pdf. >Acesso em: 11 de nov. 2010.

ZAMIGNANI, Denis Roberto; LABATTE, Maria Cecília Sampaio. O grupo de apoio a familiares e portadores de TOC e Síndrome de Gilles de La Tourrette. In: GUILHARDI, Hélio José, et al. Sobre Comportamento e Cognição: Expondo a variabilidade.2001, v.8, cap.39, p.365-371.

ZAMIGNANI, Denis Roberto; VERMES, Joana Singer. A perspectiva analítico-comportamental no manejo do comportamento obsessivo-compulsivo: estratégias em desenvolvimento. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva. v.4 n.2 São Paulo dez. 2002.Disponível em: <http://pepsic.homolog.bvsalud.org/scielo.php?pid=S1517-55452002000200006&script=sci_arttext.> Acesso em: 11 de Nov. de 2010.

ZAMIGNANI, Denis Roberto; VERMES, Joana Singer. Proposta analítico-comportamentais para o manejo de transtornos de ansiedade: analise de casos clínicos. In: SADI, Hérika de Mesquita; CASTRO, Nely Maria dos S. de. Ciência do comportamento: conhecer e avançar. Santo André, SP: ESETec,2003, v.3, cap.13, p.117-136. 


[i] Acadêmica do 10º período do curso de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva 

[ii] Professora Supervisora de estágio do curso de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva

Anúncios

Discussão

Os comentários estão desativados.

Núcleo de Publicações Acadêmicas Newton Paiva

A REVISTA DE PSICOLOGIA é uma publicação do Curso de Psicologia e desenvolvida pelo Núcleo de Publicações Acadêmicas do Centro Universitário Newton Paiva