//
você está lendo...
EDIÇÃO 3

E3-15 Resistência e Transferência no Processo Psicanalítico

Ludmila Pereira Cunha[i]
Geraldo Majela Martins[ii]

RESUMO
Este artigo pretende examinar o conceito de transferência e resistência tratado no processo psicanalítico. Verificar a noção de transferência e resistência na  clinica psicanalítica, sendo entendida como conjunto da relação que o paciente estabelece com o analista. 

Palavras – chave: Psicanálise, Resistência, Transferência. 

 

Este artigo surgiu a partir de um caso clínico do estágio VII – Abordagem em Psicanálise, orientado pelo professor Geraldo Majela Martins. Este pretende examinar o conceito de transferência e resistência tratado no processo psicanalítico.  

Segundo Freud, o sujeito apresenta mecanismos de defesa, estes são a resistência e a transferência, que fazem parte fundamental do tratamento psicanalítico.  

Antes de conceituar a transferência, Freud descobriu a resistência em análise, apesar do sintoma, que se instala no intuito de tampar a angústia, ter se constituído no retorno do recalcado, esse mesmo sintoma é composto pela matéria- prima do conteúdo reprimido. Os sintomas contêm o recalque, no sentido de contenção, de barreira, mas o sintoma também contém o recalcado no sentido de estar no seu conteúdo.  

Freud descobriu primeiro a resistência em análise, contra esse material reprimido, mas percebeu que é justamente essa resistência, que desloca um saber para o outro, que constitui a transferência, sendo resistência um sinônimo de transferência.  

A transferência é uma suposição de saber endereçada ao analista. O analisando, sob transferência, deposita um saber sobre si no analista, um ideal – do – eu, sendo o que sabe sobre o sujeito, está no próprio discurso do inconsciente, porém apresentado como falta, como não–sabido. Mas essa é a lógica de uma análise, o analisando aponta esse lugar de saber para o analista, com uma demanda de amor, mas o analista, embora acolha, não ocupa esse lugar apontado pelo analisando. O analista, em sua ausência como sujeito, ausência essa que sinaliza a disponibilidade do analista para escutar o outro, presencia isso que você sublinhou o tempo todo, justamente porque, sem isso, não haveria análise. 

Uma análise se autoriza desde o momento posterior de entrada em análise, ou seja, quando o sujeito encaminhado por alguém ou identificado por algo do analista como seu nome, sua fisionomia, sua voz, seu jeito de falar. A transferência já se estabelece até mesmo antes do primeiro contato, quando já não vem o aval de transferência daquela pessoa que o sujeito elege para indicar um analista. É a transferência que autoriza a função do analista. O analista, antes mesmo desse lugar de semblante da falta, de semblante do objeto, fica numa posição de depositário do saber, saber este que se presentifica como discurso do inconsciente como não sabido, como não–saber, mas endereçado ao analista como o “representante” desse saber inconsciente. O analista é fabricado pelo discurso do analisando como um depósito desse saber não sabido, que é nada mais nada menos que o sujeito inconsciente que está lá deitado no divã. 

Na Clínica Psicanalítica, entendemos por defesa tudo o que é usado pelo analisando na tentativa de fugir do sofrimento, das lembranças que contêm o foco de seus traumas. Freud, em seus trabalhos, usou os termos “defesa” e “resistência” como sinônimos. A defesa age por meio do ego, ou seja, o ego do analisando na tentativa de fugir de uma lembrança dolorosa chama uma força repulsora que afaste essa ideia/lembrança patogênica. Daí o conceito de que toda defesa é uma tentativa do sujeito de fugir do que lhe traz dor, de esconder as ideias e pensamentos causadores ou relacionados aos seus traumas. As defesas podem acontecer tanto de forma inconsciente quanto conscientemente. E é papel do analista derrubar essas resistências e chegar ao foco do problema: a lembrança dolorosa causadora do trauma.

Existem vários exemplos de resistências na clínica psicanalítica, entre eles temos o silêncio do analisando.  O que ele não quer falar? O que o faz não querer falar? A postura do analisando no divã, a sua inquietação,  falar somente de assuntos triviais e relacionados ao meio externo, evitar certos assuntos. Um dos assuntos mais evitados é justamente o que diz respeito às fantasias sexuais com o analista, a ausência de sonhos, falta ás sessões por vários motivos e mais várias situações causadas pelo analisando, algumas vezes até de forma inconsciente para evitar chegar na descarga de tudo o que tem lhe causado dor.  

Um exemplo da minha experiência, para ilustrar a questão transferência/ resistência, é de uma cliente que chega ao consultório e permanece muda, após algum tempo, ela afirma que tem síndrome do pânico, pois “sente medo de tudo de menos de água” (sic). Essa cliente diz que veio para ter um espaço no qual possa falar exatamente sobre os seus medos. Só que essa fala nomeada “medo de tudo de menos de água” (sic), devido às incessantes associações, é o que lhe causa maior repugnância, é seu objeto fóbico, sua resistência à análise. Então, embora o lugar que essa cliente me coloca seja de escutar seu medo de tudo “de menos de água” (sic), em transferência, é justamente essa fala que a repugna ouvir, é sua própria resistência à análise.  

A resistência está presente em maior ou menor grau em todo o processo analítico, desde o início até a sua conclusão. A resistência se opõe ao processo analítico, ao analista e ao ego racional do paciente.  

A clínica psicanalítica, em verdade, serve de campo onde as resistências atuam. Então, cabe dizer que a clínica psicanalítica se caracteriza pela análise completa das resistências, descobrir como o paciente resiste, a que ele resiste e porque age assim.  

Na transferência, entendemos uma situação em que um sujeito transfere para o outro sentimentos que, em verdade, não estão dirigidos a esta pessoa e sim a outra pessoa do passado. No caso da clínica psicanalítica, o analisando transfere para o analista sentimentos e emoções que, na verdade, são de uma relação vivida (ou deixada de viver) com um ente ou pessoa próxima que fez parte de sua infância primitiva, segundo Freud. São, em geral, sentimentos de relações que não foram bem resolvidas. O analisando, em vez de recordar uma experiência passada, ele a revive e recria, no entanto, envolvendo outra pessoa que não a originária e isso pode ser caracterizado como um tipo de defesa. 

A reação transferencial é sempre uma relação objetal, ou seja, relação que pode conter emoção, impulso, desejo, atitude, fantasia e defesas contra isso tudo. Ela se dá sempre de forma inconsciente e cabe ao analista reconhecê-la. Embora em alguns casos o analisando até possa perceber que está exagerando em algum sentimento, ele não entende o porquê disso. Muito embora a transferência esteja sendo abordada dentro da clínica psicanalítica, ela pode acontecer também fora dela. 

Se o paciente coloca o analista no lugar do pai (ou da mãe), está também lhe concedendo o poder que o superego exerce o ego, visto que os pais foram, como sabemos, a origem do seu superego. O novo superego  dispõe agora de uma oportunidade para uma espécie de pós-educação do neurótico (FREUD, 1930, p.49). 

A transferência é sempre uma repetição e sempre será inadequada. Então podemos citar algumas características da reação transferencial que são: a intensidade de sentimentos ou ausência total do mesmo, a inconstância e a tenacidade. 

Para que um fenômeno psíquico seja enquadrado como transferência, é necessário que apresente quatro características básicas: que seja uma variação de relacionamento objetal, que seja sempre uma repetição de um relacionamento passado com o objeto, que apresente um deslocamento, visto que esse é o processo fundamental nas relações transferênciais, que seja sempre um fenômeno regressivo.  

A transferência é um fenômeno imprescindível no processo analítico. Sem a transferência, não há análise. È ela que indica a direção a ser tomada pelo analista visto que é através dela que os processos inconscientes se atualizam e abrem as portas para o surgimento do conflito psíquico e sua resolução. A transferência segue mais ou menos o ritual “recordar, repetir, elaborar”.  

A transferência revela a constituição do sujeito, de sua demanda e de seu desejo, só a partir dela é possível que o sujeito descubra a estrutura de seu desejo. A resistência tal qual a transferência são mecanismos de defesa e são imprescindíveis para a realização do tratamento psicanalítico. Sem elas, não há psicanálise. Uma aparece na tentativa de encobrir e se defender de lembranças dolorosas, a outra como a repetição de uma relação objetal passada, e as duas são fundamentais para a clínica analítica.

 

REFERÊNCIAS

FREUD, Sigmund (1920). Fragmento da análise de um caso de histeria. In:______ Obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro, Imago. 1996 p.19-116 (edição Standard brasileira das obras psicológicas Sigmund Freud, Vol. 7). 

FREUD, Sigmund. [1912]. A dinâmica da transferência. In:­­______ Obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro, Imago. Vol. XII 1996 p. 111-119. (edição standard brasileira das obras psicológicas Sigmund Freud, Vol. 12). 

Fundamentos Freud. In: ______ Resistência. Disponível em: http://www.fundamentosfreud.vilabol.uol.com.br/resistencia.html. Acesso em: 17 nov. 2010. 

Psicanálise. In:_______Psicanálise online. Disponível em <http://www.geocities.com/psicanaliseonline/profissi.htm&gt;. Acesso em 17 de nov. de 2011. 


[i] Acadêmica do 10º período de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva.

[ii] Professor e supervisor de estágio do curso de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva.

Discussão

Os comentários estão desativados.

Núcleo de Publicações Acadêmicas Newton Paiva

A REVISTA DE PSICOLOGIA é uma publicação do Curso de Psicologia e desenvolvida pelo Núcleo de Publicações Acadêmicas do Centro Universitário Newton Paiva