//
você está lendo...
EDIÇÃO 3

E3-19 A importância das entrevistas preliminares na clínica psicanalítica

 

Carla Ribeiro Mosso[i]
Geraldo Majela Martins[ii] 

RESUMO
O objetivo desse artigo é caracterizar a importância das entrevistas preliminares nos atendimentos clínicos. As entrevistas preliminares são de suma importância para a entrada em análise.   

Palavras-chave:Transferência, Entrevistas, Preliminares, Clínica Psicanalítica, Sintoma.

 

Este artigo surgiu a partir de um caso clinico do estágio VII – Abordagem em psicanálise, orientado pelo professor Geraldo Majela Martins. Este pretende examinar o conceito das entrevistas preliminares e a importância dessas para a entrada em análise. 

As entrevistas preliminares nem sempre tiveram essa nomenclatura, foram inicialmente chamadas por Freud de “análise de prova” ou mesmo “tratamento de ensaio”. Já em Lacan obtivemos a nomenclatura utilizada atualmente. De acordo com Freud (1913), para que o processo de análise aconteça e se atinja um determinado objetivo, torna-se necessário um período que o antecede, no qual seja possível traçar um caminho para que o analista possa cumprir sua promessa de cura. 

Freud (1913), no texto “Sobre o início do tratamento”, refere-se à prática de um tratamento de ensaio para evitar a interrupção da análise, a fim de se conhecer o caso e decidir sobre a possibilidade de sua analisabilidade; como exemplo, a falta de compreensão interna (insight) do paciente poderia ser um empecilho. Esse período, o qual Freud (1913) nomeava de tratamento preliminar é, ele próprio, o início da análise e, portanto, considera a regra fundamental da associação livre. 

É neste momento da entrevista que acontece o primeiro contato entre analisante (paciente) e analista. Etapa importante para o restante do processo de análise. Isso porque esse primeiro contato abre espaço para a transferência de análise, que até o momento ainda não está, de fato, instalada. No entanto, não podemos dizer que não há transferência, pois se o analisante chegou até o consultório deste analista em especial, isso se deve ao fato de que algo da transferência ocorreu, mesmo que de maneira mais frágil, e que ela se consolida no decorrer do processo, ou seja, se o analisante voltar na próxima sessão. Como sabemos, a transferência é a mola propulsora do tratamento. Ela pode ser positiva ou negativa, e por isso temos a relação entre amor/ódio, que são afetos para a psicanálise. 

A queixa inicial do sujeito quase sempre demanda uma palavra de cura, livrando o paciente do seu sinto­ma. Ele espera o auxílio de alguém, que supõe-se saber algo do sofrimento dele, podendo tratá-lo. Mas isso não é o suficiente para que a análise ocorra. Logo, essas en­trevistas iniciais servem para investigar os motivos que trazem o paciente àquela consulta, é a mola mestra que vai direcionar o analista a montar suas hipóteses iniciais. Este primeiro contato pode ser exatamente o momento no qual se detectará o que é possível ou não ser “tratado” em termos psicanalíticos, podendo, além disso, propor­cionar em si mesmo um resultado terapêutico. 

A postura do analista, neste primeiro contato, deve voltar-se para a escuta, a receptividade ao discurso do sujeito, mantendo, segundo Freud (1913), uma ‘atenção uniformemente suspensa’, ou seja, uma atenção flutuan­te. Este discurso direcionado ao analista é diferente dos outros, devido ao sentido novo que ele adquire aos ou­vidos do psicanalista. Seu posicionamento é que vai de­terminar se o atendimento vai servir apenas para tam­ponar o sofrimento psíquico que o sujeito traz ou se irá abrir espaço para que a sua subjetividade seja revelada e que este possa se implicar em suas questões. Portanto, o analista não deve criar interpretações precipitadas, pois é o paciente que dá sentido às suas experiências.

A função sintomal compreende questões sobre a demanda e analisabilidade. De acordo com Lacan, há apenas uma demanda verdadeira para se dar início a uma análise: a de se desvencilhar de um sintoma. 

Quinet (2000) afirma que para Lacan, a analisabilidade é função do sintoma e não do sujeito e deve ser buscada, a partir da transformação do sintoma do qual o sujeito se queixa em sintoma analítico. Isso significa que é preciso que: “a queixa se transforme numa demanda endereçada àquele analista e que o sintoma passe de estatuto de resposta ao estatuto de questão para o sujeito, para que este seja instigado a decifrá-lo” (Quinet, 2000, p.16). 

A partir do momento em que o analista entra em contato com este ‘candidato à análise’, concretiza-se esta dupla escolha (tanto do analista, aceitando o indivíduo em análise, quanto pelo analisando, que se deixa analisar por aquele em específico), o sujeito será levado a elaborar sua demanda de análise, o que seria caracterizado na prá­tica como um fator de histerização (Quinet, 2000). 

Quinet (2000) afirma que é necessário que a queixa se transforme em demanda, endereçada àquele analista, e que o sintoma saia da posição de resposta para a de uma questão para o sujeito. Assim, esse mesmo sujeito será in­citado a decifrá-la. O analista entra como um questiona­dor deste sintoma.

Outra função das entrevistas preliminares compreende a função diagnóstica.
Segundo Freud (1913), existem razões diagnósticas para começar o tratamento desta forma, pois nos casos de neurose com sintomas histéricos ou obsessivos, há certa dificuldade em diferenciá-los das chamadas demências precoces (esquizofrenia, parafrenia). Portanto, torna-se necessário a realização de um diagnóstico diferencial, em particular, o diagnóstico diferencial entre neurose e psicose na medida em que a forma de conduta frente ao caso se torna diferente para cada uma dessas estruturas clínicas.
 

Contudo é preciso que o analista sus­tente esta posição de sujeito suposto saber para trans­formar a transferência demandante em transferência produtora pelo trabalho da associação livre – regra fundamental da psicanálise. É importante ressaltar que o analista vai ‘tomar este lugar de saber’ empresta­do, não devendo nunca se identificar com essa posição, o que, para Quinet (2000), seria um erro. 

A função diagnóstica das entrevistas preliminares se institui como um papel de direção da análise, ou seja, ela só terá sentido se servir de respaldo para a condu­ção da análise. Essa tática do analista no direcionamen­to da análise está correlata com a transferência, na qual o diagnóstico está intimamente ligado. Porém, este só pode ser investigado no registro do simbólico, atentan­do para o que Lacan anuncia ao dizer que um sujeito é incurável, pois não se pode curar o inconsciente. 

Cabe ao psicanalista o desafio de articular as entrevistas preliminares ao contexto em que está inserido e aproveitar a eficácia desta prática terapêutica.

 

REFERÊNCIAS 

FREUD, Sigmund. Recomendações aos médicos que exercem a psicanálise. In:______ Obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1996, p.123-133. (Edição standard brasileira das obras psicológicas Sigmund Freud, Vol.12). 

FREUD, Sigmund. Sobre o início do tratamento. In:______ Obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1996, p.137-158. (Edição standard brasileira das obras psicológicas Sigmund Freud, Vol.12).

 QUINET. Antonio. As 4 + 1 condições da análise. 8. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000 p.7- 34. 


[i] Acadêmica do 10° período do curso de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva.

[ii] Professor supervisor de estágio do curso de Psicologia o Centro Universitário Newton Paiva.

Anúncios

Discussão

Os comentários estão desativados.

Núcleo de Publicações Acadêmicas Newton Paiva

A REVISTA DE PSICOLOGIA é uma publicação do Curso de Psicologia e desenvolvida pelo Núcleo de Publicações Acadêmicas do Centro Universitário Newton Paiva