//
você está lendo...
EDIÇÃO 3

E3-22 Transferência e ética: uma análise clínica

Daniel Bruno dos Reis[i]
Geraldo Majela Martins[ii] 

RESUMO
Este trabalho procura fazer algumas considerações a respeito da transferência e seu manejo, levando em consideração um caso clínico atendido na Clínica de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva. Ressalta-se a importância do manejo transferência em decorrência da situação analítica já instituída desde o primeiro atendimento. 

Palavras-chave: Manejo, Transferência, Ética, Psicanálise.

 

A grande preocupação dos jovens psicólogos está em torno do que fazer em relação ao seu paciente para ajudá-lo a melhorar. Sempre se tem a preocupação do que dizer, de como interpretar, como intervir para assim produzir um efeito terapêutico na vida do cliente. Mas é preciso pensar melhor sobre esta atitude em relação aos pacientes. Freud escreve em 1914 o texto “Observações sobre amor transferêncial”, no qual vai discutir a questão da transferência e da postura que o analista deve ter diante de seu paciente. Logo no primeiro parágrafo do texto, ele escreve: 

Todo principiante em psicanálise provavelmente se sente alarmado, de inicio, pelas dificuldades que lhes estão reservadas quando vier a interpretar as associações do paciente e lidar com a reprodução do reprimido[iii].  Quando chega a ocasião, contudo, logo aprende a encarar que as únicas dificuldades realmente sérias que tem de enfrentar residem no manejo da transferência (FREUD, 1914, p. 177). 

Outro ponto importante a ser ressaltado diz respeito às considerações de Lacan (1998) sobre o tratamento analítico quando escreve o texto “A direção do tratamento e os princípios de seu poder”. Neste texto, Lacan vai fazer apontamentos sobre as entrevistas preliminares, retificação subjetiva, mas o que se pretende ressaltar é a questão da ética do desejo em que está pautada a psicanálise em relação a seus pacientes. Em um dos tópicos do texto Lacan aponta que “é preciso tomar o desejo ao pé da letra” (LACAN, 1998, p. 626). 

Levando em consideração esses apontamentos, temos um caso clínico. Ricardo, um rapaz de 33 anos, procura o atendimento na Clínica de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva. No primeiro atendimento, Ricardo diz que tem uma história para contar. Ele relata sobre seus empregos, diz que é professor do Estado e que até pouco tempo trabalhava em outra empresa da qual teve que sair devido a uma mudança nos horários na escola em que leciona. Ricardo então relata algo que vem lhe trazendo maior incômodo, seu namoro. Segundo ele, namora uma pessoa que tem “uma doença do pânico”, a qual não consegue compreender. Dessa forma, sua namorada não quer que ele a veja em crise, portanto eles não têm se encontrado há algum tempo. Ricardo diz que precisa saber de um especialista sobre esta tal doença para entender o que se passa com sua namorada, pois sente falta dela e ela não o quer ver. 

Na semana seguinte, Ricardo telefona para a clínica e desmarca o atendimento, deixando marcado para a próxima semana, quando também  não comparece sem avisar. No dia em que deveria haver um atendimento, Ricardo novamente não comparece nem faz um contato para desmarcar.  Então, na semana que deveria ser seu atendimento e durante o horário reservado, o terapeuta tenta um contato e ele atende ao telefone surpreso, diz que teve um compromisso que pretendia ligar, mas acabou esquecendo. Neste momento, algo poderia ter sido dito – mas você pretendia ligar não é – apontando assim para o desejo, que está claro na preocupação em mesmo não vindo ligar e avisar, pedindo uma remarcação. 

Mesmo assim, ele não comparece no atendimento seguinte. Ligou desmarcando e disse que gostaria de remarcar. Ao telefone, numa quarta-feira, Ricardo pede que seja atendido na sexta-feira.  Diante da impossibilidade de horários, fica marcado para a segunda próxima, mas ele não comparece também. Numa ligação durante o horário que seria o de seu atendimento, Ricardo diz ter se esquecido completamente que havia marcado aquele dia e horário. Claro, não era esse o dia e horário que ele havia solicitado. Ele sugere outro dia na semana seguinte, e seu atendimento fica marcado. 

Algo da transferência está posto em questão nestes atendimentos, mas sobre o qual não é possível dizer nada. A transferência está estabelecida, mesmo que não tenha sido retificado alguma coisa, ou que alguma formação do inconsciente tenha aparecido para legitimá-la. 

Ricardo não compareceu aos atendimentos seguintes, mas ligou, desmarcou e remarcou. Entretanto não foi ver o terapeuta. É preciso lembrar que na primeira sessão diz que precisa entender melhor porque sua namorada não o quer ver. Realmente é uma grande questão para o tratamento em psicanálise o manejo da transferência como coloca Freud.

Em muitos textos sobre as entrevistas preliminares, encontra-se grande preocupação de seus autores de estabelecer bem sobre esse ponto como sendo fundamental para o início de uma análise. Fala-se de retificação subjetiva e a importância para que haja a histerização do discurso, podendo assim ser instituído para o analista o lugar do sujeito suposto saber e assim se estabelecer a transferência.

Mas e quando o próprio paciente, sem retificar-se, estabelece a neurose de transferência, age a partir dela sem ao menos apontar uma formação do inconsciente que a formalize? Da mesma maneira, é preciso ter em vista que o manejo da transferência por parte do analista seja cuidadoso. Caso contrário, surge o que alguns gostam de chamar de contra-trasferência.

Sobre a transferência amorosa, Freud (1914) diz que “[…] o fenômeno significa um esclarecimento valioso e uma advertência útil contra qualquer tendência a uma contratransferência que pode estar presente em sua própria mente” (FREUD, 1914, p. 178). Que na verdade acredita-se ser algo que está do lado do analista e é nada mais nada menos que sua própria transferência. Que é claro é contra a do paciente. 

Freud (1914) aponta três aspectos essenciais da transferência: que ela é suscitada pela situação analítica; que é intensificada pela resistência; e que falta-lhe alto grau de consideração pela realidade. 

Pode-se pensar sobre este primeiro aspecto e o caso apresentado. Que a transferência é suscitada pela situação analítica. Ricardo já aponta os caminhos de seu tratamento, estabelecendo a transferência logo de inicio. Tem-se então uma situação analítica constituída pela transferência não formulada de Ricardo. Este sujeito vem já para o tratamento de certa forma, pronto, como o pretende deixar as entrevistas preliminares, retificado e transferido. 

Depois de não vir, esquecer de ligar e finalmente esquecer-se de seu horário, Ricardo vem à sessão. Nesta sessão, ele logo pergunta se o terapeuta se lembra das coisas que contara na primeira vez que veio. Então diz que sua namorada melhorou do pânico, mas que, agora, está com outro problema. Diz ele que ela inventou outra coisa que está atrapalhando seu relacionamento e que ele não sabe se vai continuar. Ela agora quer que ele mude de religião, que seja da dela. Ricardo conta que está participando de um processo seletivo na área de informática, nova para ele, mas que tem dúvidas sobre isso, não sabe se será bom.

Ricardo novamente retoma a questão com a namorada, diz que é uma situação complicada, que já foi na igreja dela, mas não entende sua imposição sobre a questão religiosa. Ele diz que não sabe o que faz, pois pode mudar de religião e eles terminarem. Ele diz que não sabe se vai continuar, pois a situação é complicada, eles não se beijam, não pegam na mão, muito menos têm relação sexual. Mais uma vez ele diz que não sabe se vai continuar. É preciso dizer: e então, nós continuamos na semana que vem? Ele diz que sim e então essa sessão é finalizada. 

Ele realmente não sabe se continua, a situação é complicada. Com sua namorada e seu tratamento. Ele aponta isso durante toda a sessão. A questão é apontar de alguma forma para seu desejo, manejar a transferência na situação analítica e assim caminhar para que o paciente subjetive seu sintoma e se torne desejante. 

Esta é a ética da psicanálise. A isso que se referiu Lacan (1998), a ética não é da cura como se pretende naturalmente. O sintoma é aquilo que diz do sujeito, é sua causa. É preciso sim subjetivá-lo, sê-lo, se tornar a causa e assim desejar.


REFERÊNCIAS 

FREUD, Sigmund. Observações sobre o amor transferêncial. In:______. O caso Schreber, artigos sobre técnica e outros trabalhos. Rio de Janeiro: Imago, 1996. p. 173 – 190. (Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, 12). 

LACAN, Jacques. A direção do tratamento e os princípios de seu poder. In:______ Escritos. Rio de Janeiro: Zahar, 1998. p. 807-842. 


[i] Acadêmico do 10º período de psicologia no Centro universitário Newton Paiva. 

[ii] Professor supervisor de estágio do curso de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva. 

[iii] Lê-se recalcado.

Anúncios

Discussão

Os comentários estão desativados.

Núcleo de Publicações Acadêmicas Newton Paiva

A REVISTA DE PSICOLOGIA é uma publicação do Curso de Psicologia e desenvolvida pelo Núcleo de Publicações Acadêmicas do Centro Universitário Newton Paiva