//
você está lendo...
EDIÇÃO 2

E2-02 Segredo familiar: adoção

Ana Carolina Silva Saldanha Bottino[i]
Claudia Neto[ii]

RESUMO
O presente artigo tem como tema principal o segredo da adoção no contexto familiar. 

Palavras-chave: Família. Segredo. Adoção. Teoria Sistêmica.

 

Quando o assunto é adoção, muitos pais ficam com dúvidas de como conversar com os seus filhos: se realmente deve-se contar que a criança foi adotada ou se seria melhor guardar como segredo. Muitos desses pais temem falar sobre a adoção com a criança, gerando um segredo familiar.

Segundo Schettini[iii] (1998, apud Rocha, Teixeira e Ataíde), vários são os fatores que podem levar à adoção. A possibilidade de um dos membros ser estéril, idade avançada, impossibilidade de passar por uma gravidez, são apenas alguns desses fatores. O caso é que a adoção passa pelo processo do poder ou não ter um filho: o poder dos pais adotantes de criar, mas não gerar; e dos pais doadores que podem gerar, mas não criar. É nessa situação que o filho adotivo se estabelece e constrói sua história de vida. 

De acordo com Kaplan (2003)[iv], “a adoção é definida como um processo no qual uma criança é levada para dentro de uma família por um ou mais adultos que não são seus pais biológicos, mas são reconhecidos pela lei como seus pais”.  

Segundo Wagner e Falcke (2005), frente a uma atitude não aprovada pela cultura familiar, os segredos surgem como forma de esconder alguns fatos que não correspondem às exigências estabelecidas pelos padrões da família. 

Em uma entrevista para Associação Gaúcha de Terapia Família, a psicóloga Iara Camaratta (2007)[v] afirma que:  

Atrás dos segredos familiares escondem-se muitos sentimentos e fantasias perturbadores e, por vezes, contraditórios, tais como orgulho, vaidade e vergonha; piedades e impiedades; jogos de poder e de submissão; crenças e valores desencontrados; discursos amorosos em favor de anseios egoístas; medo de causar um enorme sofrimento ao filho, de ser acusado por suas próprias impaciências ao serem reconhecidos como pais adotivos, de sofrer abandono, etc. (CAMARATTA, 2007). 

Wagner e Falcke (2005) citam que quando os relacionamentos familiares encontram-se marcados pelo segredo, toda a forma de comunicação da família pode ficar alterada com a sustentação do sigilo. Tanto como a mentira quanto as informações escondidas podem alterar a confiança interpessoal na relação. O ato de manter o segredo gera ansiedade nos membros da família envolvidos, embora o evento seja escondido, a intensidade dos sentimentos em relação a ele dificilmente pode ser disfarçada.  

O maior segredo imposto pela família é a existência da família biológica. Segundo Hartman (1994), esta conexão com a família doadora deve ser firmemente rompida. De acordo com a autora:  

A negação das realidades da adoça e o manto de segredo eram reforçados por outras atitudes sociais e pessoais. A maioria das crianças adotadas nascera de pais solteiros, e portanto, o esforço visava proteger a criança de fatos “vergonhosos” dês seu nascimento. Frequentemente,  explicações falsas e mais aceitáveis socialmente eram oferecidas, e os membros dos grupos de adotados, compartilham, com um humor consideravelmente irônico, histórias sobre um grande número de casais que parece ter morrido em acidentes automobilísticos sem deixar parentes. (HARTMAN, 1994, p. 94)  

A ligação estabelecida entre os segredos e o estigma é aprendida pelo adotado. Hartman (1994) defende que uma pessoa estigmatizada fica defendida pelo segredo, mas esse mesmo segredo promove no ser uma estigmatização. A mãe biológica estaria protegida pela negação e segredo, essa passa a ser um segredo para o filho gerado. Os pais adotivos também são estigmatizados pelo fato de não poder gerar um filho. 

A mesma autora (1994) justifica que na terapia, uma vez que a história da adoção tenha surgido como parte da avaliação, o tratamento, mesmo que seja lento e com obstáculos, não é complicado. Cabe ao terapeuta tanto “desconstruir” como construir a história da adoção. Este trabalho pode ser realizado através da coleta de dados sobre o cliente, ou por meio de uma busca e do estabelecimento de algum contato pessoal entre o filho adotivo e os seus pais biológicos. A decisão de procurar ou não os pais biológicos cabe somente ao adotado.     

Bertocci e Schechter (1994, apud, Hartman, 1994) descobriram a acessão de que na busca pelos seus pais biológicos é percebida, pela maioria deles, como benéfica e como algo que enriquece os seus relacionamentos com suas famílias adotivas.   Entretanto, mesmo que a investigação pela família de origem não obtenha o resultado esperado pelo adotado, a maioria sente-se realizado pelo evento de fazer esta busca. 

Em suma, pode-se dizer que:

Para todos a busca é uma jornada pessoal de validade e capacitação. É um ato imensamente político, que insulta a passividade. É a recusa em aceitar o silêncio. Requer um compromisso direto com a verdade. É simplesmente uma jornada extra que o adotado assume para responder a questão: ‘Quem sou eu? (Partrige & Heller, 1988, apud Hartman, 1994). 

Quando acontece o segredo, a estigmatização está presente nos adotados, nos pais biológicos e nos pais adotivos. Os pais que favorecem a privação dos filhos adotados do direito de conhecer a verdade sobre si mesmo devem buscar como princípio orientador o melhor em benefício da criança.   

Para a Teoria Familiar Sistêmica, o segredo na família apresenta um efeito devastador na confiança, na comunicação familiar e gera uma ansiedade sobre os membros. Para Hartman (1994), o papel do Psicólogo nesse contexto passa a ser o de desenvolver formas de ajudar os membros do triângulo da adoção a se relacionar. A Teoria Familiar Sistêmica privilegia uma adoção aberta, sem segredos, por ser melhor para o filho adotado.  

  

REFERÊNCIAS 

 Disponível em: http://www.profala.com/artpsico54.htm, acesso em 14/04/2009; 

 Disponível em: http://www.redepsi.com.br/portal/modules/smartsection/item.php?itemid=293, acesso em 14/04/2009; 

 Disponível em: http://www.agatef.com.br/publicacoes_artigos_detalhe.php?id_artigo=19, acesso em 14/04/2009; 

HARTMAN, Ann. Segredos na Adoção. WAGNER, A. & col. Como se perpetua a família: A transmissão dos Modelos Familiares. Tradução de Dayse Batista. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2005. p.94-112 

IMBER-BLACK, Evan. Os segredos na família e na terapia familiar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994 


[i] [i] Acadêmica do curso de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva 

[ii] Professora supervisora de estágio do curso de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva 

Discussão

Os comentários estão desativados.

Núcleo de Publicações Acadêmicas Newton Paiva

A REVISTA DE PSICOLOGIA é uma publicação do Curso de Psicologia e desenvolvida pelo Núcleo de Publicações Acadêmicas do Centro Universitário Newton Paiva