//
você está lendo...
EDIÇÃO 2

E2-07 Identificação

 

Cristiane Dias Figueiredo[i]
Geraldo Martins[ii] 

RESUMO
Este artigo nos remete à compreensão de como pode surgir a identificação com o outro, ou com um traço do outro no sujeito. 

Palavras-chave: Freud. Identificação. Traço. Outro. Inconsciente.

 

“Direi que a identificação é o movimento ativo e inconsciente de um sujeito, isto é, o desejo inconsciente de um sujeito de apropriar-se dos sentimentos e fantasias inconscientes do outro.”

NÁSIO (1999, p. 83) 

Com base em fragmentos de um caso clínico, discutiremos a história de vida de A. que busca tratamento na CAMT (Clinica de Atendimento Multidisciplinar) da Newton Paiva. Durante o atendimento de Psicologia, relata suas dúvidas, inseguranças e anseios.

A história de A. relata problemas familiares, financeiros e amorosos. Suas principais queixas no atendimento eram que ”… levava uma vida financeiramente boa dentro de casa com sua família (pai, mãe e um irmão) e que de repente seu pai perdeu o emprego. Sua mãe trabalhava com doces, e quase não estava tendo encomenda e que ela teve que deixar seu emprego para ajudar a cuidar da avó que morava com eles e estava muito doente. Como consequência teve que sair da faculdade, porque não tinham mais dinheiro e até hoje sonha em voltar, mas as condições não permitem. Com o passar do tempo as coisas melhoraram um pouco, seu pai conseguiu outro emprego como gerente em um restaurante, sua mãe recuperou alguns clientes, e ela está trabalhando com o irmão, ganhando muito pouco, por enquanto ainda não da para voltar a estudar. Relata que a vida ainda está muito difícil porque a avó ajudava em casa, mas infelizmente ela faleceu…” Ao falar se emociona, e revela que este é um dos motivos que lhe deixa muito angustiada, além da ajuda financeira da avó que está fazendo muita falta, ela tinha um enorme afeto por ela e por isso está sofrendo muito. 

Em seguida falou do namorado, disse que eram amigos antes, que ele já mostrava algum interesse nela, e com o tempo ela passou a gostar muito dele. Sente que é correspondida, mas a queixa atual é que começou a ficar, “neurótica” se ela liga e ele não atende já fica louca e começa a pensar “coisas negativas”, que desenvolveu gastrite nervosa, não consegue comer nada, que o estomago dói. Seu namorado não lhe deu nenhum motivo para ficar desse jeito, ela acredita que conviveu muito com uma prima que é “grude” com seus namorados e acabou deixando se influenciar, disse que nunca foi assim, se considerava uma pessoa tranquila, que é elogiada pelo próprio namorado que fala que ela é diferente das outras mulheres, pois “não pega no pé dele…’’. Agora se tornou insegura, não concorda com a forma como a prima agia com seus namorados e agora se comporta da mesma maneira, considera que essa era uma das coisas que ela temia e agora faz o mesmo. Mas afirma que não deixa transparecer seus sentimentos para o namorado.”…Ele não sabe que penso tanta besteira…” 

A. se identifica com sentimentos dos outros, nesse caso com os de sua prima, relata que se sente perdida e não sabe agir como antes de forma tranquila, assim faz o que as pessoas acreditam que ela deva fazer, e assim está deixando de ser ela mesma. 

Para Freud em Psicologia de grupo e a análise do ego e dois verbetes de enciclopédia (1921) a identificação foi reconhecida como laço emocional muito forte por outra pessoa. Para o menino a identificação começa no complexo de Édipo quando ele mostra interesse especial pelo pai, de ser como ele, crescer como ele e até tomar seu lugar. Mas com o passar do tempo o menino começa a perceber que o pai está em seu caminho em relação á mãe, seu objeto sexual, e se torna mais hostil e com o desejo de substituto. Já as meninas, desejam tomar o lugar da mãe, porque desejam o pai, mas mesmo o desejando, é possível que se identifiquem com ele, querendo ser como ele, ou tê-lo, mas quando isto não acontece se identificam com a mãe e a amam e as odeiam ao mesmo tempo. A partir daí Freud pode perceber que a identificação pode tanto ter um sentimento de ternura e aproximação, como o desejo de afastamento da pessoa. A. relata que ela e sua prima eram muito próximas e sem motivo algum se afastaram, hora sente muita falta da companhia dela, a considera como a irmã que não teve, e hora é insuportável a convivência entre ambas de forma que se mantém bem afastadas. O que A. sente por sua prima é o mesmo que encontrar ou reconhecer alguma coisa ou alguém. Se confunde com ela, assimila-se e torna-se idêntica, a ponto de agir como ela em muitas situações. No caso de A. na relação amorosa, se comporta com seu namorado da forma como a prima se comportaria. 

A. se considera uma pessoa mudada, com comportamentos que nem ela está reconhecendo. Relata que sua mãe lhe aconselhou a fazer mais o que tem vontade ao invés de seguir a opinião dos outros, e afirma que sua vontade é que seus sentimentos voltassem a ser como antes, quando ela era uma pessoa tranquila, mas sente que perdeu está qualidade e agora age como uma mulher insegura. A. assumiu as características da prima, que inconsciente ela colocou no lugar de objeto, e agora copia a pessoa amada, ou a pessoa odiada, nem sempre em tudo, afinal a identificação é como se a pessoa tomasse emprestado um traço do outro que ela elegeu como objeto e a partir dai passa a segui-lo. 

A. contou que estava se sentindo tão angustiada ultimamente que resolveu viajar para o Rio de Janeiro enquanto seu namorado estava para Disney, já que ela não pode acompanhá-lo por motivos financeiros. A. pensou que fosse morrer por ficar sem o namorado 15 dias, mas que está se sentindo melhor do que imaginava. No Rio quase não lembrou dele, mas quando voltou para a realidade passou a sentir saudades, mas que está tentando se controlar porque tem muito medo que as “neuras” venham novamente com a mesma intensidade de antes. A. se sente triste, incomodada e até insatisfeita com suas ações, por isso deseja tanto não sentir estes sentimentos mais. 

Para Freud (1921) A. não está satisfeita com seu próprio Ego e vê a possibilidade de encontrar satisfação no ego do outro, tornando-o como ideal. A. se sente mal porque desconfia de seu namorado e afirma que não era assim, acredita que mudou suas atitudes por conviver muito com a prima, que não sabe porque se coloca nesta posição, mas ao mesmo tempo não consegue assumir seus sentimentos, aliás nem reconhece quais são verdadeiramente seus sentimentos, então mais uma vez age como o outro em busca de encontrar satisfação. 

A. ressaltou que quando seu namorado chegar, não vai ficar indo no serviço dele, já que sempre teve o hábito de visitá-lo duas vezes por semana, mesmo antes de eles começarem a namorar, pois eles têm uma amiga que trabalha no mesmo local. Mas que agora não irá mais porque esta amiga e outras pessoas ficam falando que homem não gosta de “mulher que fica correndo atrás”, que eles ficam doidos quando a mulher “não está nem ai”, sai sozinha e não da satisfação. 

Segundo Násio em O prazer de ler Freud (1999) é possível que A. se identifique com o outro de duas formas, a primeira, é a vontade consciente de ser como o outro, fazendo o que eles consideram correto, o que a faz lhe sentir bem e segura para tomar suas decisões. E a segunda o processo é inconsciente, a pessoa tem a vontade de ser igual ao outro mas não sabe dessa vontade, que a psicanálise chama de desejo. A. se identifica com as emoções sentimentos, afetos, desejos, fantasias, inclusive com a forma do outro de pensar. “Identificar-se com é uma ação, um ato, o movimento ativo de um sujeito que quer se tornar-se idêntico a outro, diferente de si próprio.” (Násio, 1999, p.81) 

No entanto a identificação de uma pessoa pela outra é eleger, amar, imitar, querer ser o outro seja de forma consciente ou inconsciente. A identificação é o que leva esta pessoa a ser o que é, influência em suas atitudes, comportamentos, decisões e até mesmo sentimentos.

 

REFERENCIAS 

FREUD, Sigmund (1921) Identificação: In______  Psicologia de grupo e a análise do ego e dois verbetes de enciclopédia. Rio de Janeiro: Imago, 1976. p. 37 a 69. (Edição standard brasileira das obras psicológicas de Sigmund Freud, 8) 

NASIO, Juan-David. O prazer de ler Freud. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999. 


[i] Acadêmica do curso de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva. 

[ii] Professor supervisor de estágio do curso de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva

Anúncios

Discussão

Os comentários estão desativados.

Núcleo de Publicações Acadêmicas Newton Paiva

A REVISTA DE PSICOLOGIA é uma publicação do Curso de Psicologia e desenvolvida pelo Núcleo de Publicações Acadêmicas do Centro Universitário Newton Paiva