//
você está lendo...
EDIÇÃO 2

E2-11 Ser-em-relação: a comunicação entre terapeuta e cliente

 

Débora Patrícia Oliveira Pereira[i]
Juliana Brandão[ii] 

RESUMO
Este artigo irá discorrer sobre o caso clínico de NM, atendida na clínica-escola do Centro Universitário Newton Paiva durante dois meses. Os atendimentos foram pautados no compromisso de criar um clima promotor de crescimento através das atitudes facilitadoras da Abordagem Centrada na Pessoa de Carl Rogers, que acredita no potencial que a pessoa tem de se desenvolver. Assim, foi possível compreender NM e acompanhá-la em sua resignificação, encontrando o ser que havia se perdido. 

Palavras-chave: Condições facilitadoras. Tipos de intervenções. Comunicação. Relação terapêutica.

 

NM., trinta e um anos, sexo feminino, na época, casada e com três filhos, tomou conhecimento da clínica de psicologia por meio da clínica de odontologia da Newton Paiva, que a indicou ao acompanhamento psicoterapêutico. No primeiro atendimento, NM chorou muito e relatou estar passando por momentos difíceis após a separação conjugal, queixando não ter força para nada. Relatou um vazio profundo, ter crises nervosas nas quais perde o sentido e o controle do corpo e que treme muito. Não dorme, não se alimenta e vive também uma angústia que faz com que sinta o peito apertado, um vazio, a falta de um sentido para sua vida. Diz que fica em casa chorando o tempo todo. 

A respeito desse primeiro atendimento, a estagiária de psicologia fazia intervenções em forma de reiteração, na tentativa de que a cliente se sentisse compreendida. 

Segundo Tambara e Freire (2007, p.128), reiteração é uma forma de comunicação na qual o terapeuta não acrescenta novos elementos ao que fora comunicado pelo cliente. “Consiste em resumir ou reproduzir algumas palavras significativas de comunicação do cliente.” Aparentemente muito simples, esta forma de comunicação possui um grande poder para ativar as forças de autonomia e crescimento do cliente, se estiverem presentes também as condições facilitadoras, que aqui serão brevemente abordadas. 

A primeira condição facilitadora descrita por Rogers (1983) é a aceitação incondicional que implica ser uma pessoa não-crítica, uma pessoa positiva, com atitude de aceitação com relação a qualquer coisa que outra pessoa venha a apresentar no momento. Compreensão empática é outra condição facilitadora, é sentir cuidadosamente os sentimentos e significados pessoais que estão sendo vivenciados pela pessoa, e comunicar esta atitude de aceitação e entendimento à mesma. É escutar de forma especial. E, por fim, congruência, que significa que o terapeuta está vivendo abertamente os sentimentos e atitudes que fluem naquele momento e se faz transparente para o cliente.   

ROGERS (1983) afirma que, se as pessoas são aceitas e consideradas, elas tendem a desenvolver uma atitude de maior consideração em relação a si mesmas.

Quando as pessoas são ouvidas de modo empático, isto lhes possibilita ouvir mais cuidadosamente o fluxo de suas experiências internas. Mas à medida que uma pessoa compreende e considera o seu eu, este se torna mais congruente com suas próprias experiências internas. A pessoa torna-se então mais verdadeira, mais genuína. Essas tendências, que são a recíproca das atitudes do terapeuta, permitem que a pessoa seja uma propiciadora mais eficiente de seu próprio crescimento. Sente-se mais livre para ser uma pessoa verdadeira e integral. (ROGERS 1962 apud ROGERS 1983). 

Essas condições são imprescindíveis para o desenvolvimento do processo terapêutico, pois propiciam um clima de desenvolvimento e de crescimento em um ambiente psicológico. Quando estão presentes, ocorrem mudanças ma personalidade e no comportamento da pessoa. 

Voltando ao caso estudado, na segunda sessão, NM relatou o motivo pelo qual o marido havia saído de casa: disse ter descoberto traição do marido. Em suas falas, foram percebidos vários sentimentos: raiva, nervosismo, ódio, desapontamento. Intervenções de reflexo de sentimentos foram feitas no sentido de indicar à cliente que ela está sendo ouvida, compreendida. “No reflexo de sentimentos o terapeuta comunica ao cliente os sentimentos que ele percebe nas “entrelinhas” de suas palavras.” (TAMBARA; FREIRE, 2007, p.131).  

Na sessão seguinte, NM demonstrava em suas falas uma pequena esperança de reconciliação com o marido, para que pudesse preencher o vazio deixado na família. Mas, com o passar dos dias, em encontros com o marido (encontros onde discutiam e brigavam muito, segundo seu relato), NM relatava que sentia mais nojo do marido, lembrava do que ele tinha feito a ela, que a tinha deixado e deixado seus filhos pequenos, lembrava o quanto ela fora humilhada pelo marido que a chamava de velha. NM era de uma igreja que relatava ser muito rígida: não podia cortar cabelos, usar roupas que mostrasse braços e pernas, maquiagem, nem brincos ou colares. Então tinha os cabelos grandes e brancos e vivia boa parte de seu tempo dedicada à igreja, deixando de lado os cuidados de si mesma.

Para Rogers (1983), o indivíduo tem dentro de si mesmo vastos recursos para autocompreensão, com função de alterar seus conceitos sobre si mesmo, suas atitudes e de seu comportamento autônomo. Em processo terapêutico, era possível ver NM caminhando em direção ao crescimento. A cada sessão, NM parecia ter alterado os conceitos sobre si mesmo, apareceu com cabelos cortados e pintados, unhas bem feitas, colares e brincos.  

Mas uma coisa chamava a atenção: tinha marcas nos braços as quais dizia ser ela mesma que provocava em momentos de nervosismo e raiva, e que os fazia sem sentir. Nesses momentos, a terapeuta comunicava a ela sua compreensão através de intervenções em forma de elucidação. “Na elucidação o terapeuta comunica sua compreensão de significados ou sentimentos que ainda não foram simbolizados pelo cliente, isto é, na elucidação, o terapeuta faz referência a experiências que o cliente não integrou no seu auto-conceito.” (TAMBARA; FREIRE, 2007, p.139). Após a seguinte intervenção: “Não sei se lhe entendi bem, mas parece que esse seu comportamento de se machucar diz respeito aos momentos em que está nervosa pensando no que seu marido fez com você. É isto?”, a cliente responde: “- É isso mesmo. Fico muito nervosa quando penso nele, sinto uma raiva muito grande dele, e quando vejo já me machuquei.”  

Nessa mesma sessão, NM relata que o reconciliamento com o marido é algo que não vai dar certo e que não quer alimentar uma esperança nela e nos filhos, pois sabe que não tem futuro. Relata que só pensa em seguir sua vida, cuidar dos filhos, procurar um emprego, ou seja, ter uma vida nova. Pode-se perceber que NM mudou suas atitudes e seus comportamentos, encontrando uma nova relação com o seu mundo e com o mundo exterior. 

Segundo Rogers (1983), “o indivíduo, em seu estado normal, busca a sua própria realização, a auto-regulação e a independência do controle exterior”. Isso se afirma em outra sessão em que NM relata que as coisas estavam melhorando a cada dia. NM tem uma atitude de maior aceitação em relação a si mesmo, fala que percebe sua mudança tanto fisicamente quanto em seus comportamentos: “Percebo que mudei muito desde a primeira vez que vim aqui. Cheguei aqui desesperada e olha (mostra as mãos sem tremer), nem estou tremendo mais. As pessoas também têm percebido isso, pois chegam para mim e falam.“ Relatou que não treme mais como antes, que quando fica nervosa controla sua mão para não se machucar, e que quer viver uma nova vida, cuidar dos filhos e seguir em frente. 

A relação terapêutica estava proporcionando à cliente um pensamento reflexivo sobre sua vida, sobre si mesma. Ficou clara a importância das atitudes facilitadoras de um clima promotor de crescimento, pois através delas e da comunicação entre terapeuta-cliente é que foi possível o crescimento e desenvolvimento de NM. 

 

REFERENCIAS 

ROGERS, Carl Ranson; ROSENBERG, Rachel Lea. A pessoa como centro. São Paulo: E.P.U., 1977.  

ROGERS, Carl Ranson. Um jeito de Ser. Trad. Maria Cristina Machado Kupfer, Heloísa Lebrão, Yone Souza Patto. São Paulo: E.P.U., 1983. 156p. 

TAMBARA, Newton; FREIRE, Elizabeth. Terapia Centrada no Cliente: teoria e prática: um caminho sem volta. 2ª ed. Porto Alegre: Delphos, 2007. 192p. 


[i] Acadêmica do Curso de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva. 

[ii] Professora supervisora de estágio do curso de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva. 

Discussão

Os comentários estão desativados.

Núcleo de Publicações Acadêmicas Newton Paiva

A REVISTA DE PSICOLOGIA é uma publicação do Curso de Psicologia e desenvolvida pelo Núcleo de Publicações Acadêmicas do Centro Universitário Newton Paiva