//
você está lendo...
EDIÇÃO 2

E2-18 A angústia do ser humano de existir para a morte

 

Frankilene Soares de Matos[i]
Raquel Neto[ii] 

Resumo
Este estudo visa explorar as vivências de luto e suas repercussões na existência humana, estabelecendo correlações entre o luto e a visão fenomenológico-existencial. Pretende-se abordar, neste trabalho, alguns conceitos da abordagem fenomenológico-existencial, descrever as vivências do ser humano na situação de perda através de um caso clínico, e discutir possibilidades de atuação do terapeuta nessa abordagem. 

Palavras–chave: Morte.  Perda.  Angústia.  Luto. Psicologia.

 

“O que não me mata, torna-me mais forte.”
Friedrich Nietzsche

 

A morte é um acontecimento inerente ao ser humano. O senso comum trata o tema com restrição, sendo que existe um certo “tabu” envolvendo a própria palavra. As pessoas escolhem termos mais amenos para falar da finitude do ser humano, talvez numa busca de aceitar a concretude do fato.  

Para as crianças, costuma-se não abordar o assunto e levá-las a sepultamentos e velórios é uma coisa inconcebível, tratando-se sempre a ausência do outro como um distanciamento voluntário, como “fulano foi viajar”, ou aborda-se de forma folclórica: “virou uma estrelinha e está te olhando lá do céu”. 

A angústia para o ser humano parece ser tão insolúvel que procuramos disfarçar o tema a encará-lo. Mas, e na solidão, no âmago de cada ser? Como encarar esta ausência do seu ente querido?

Diante das diversas abordagens em psicologia, acreditamos que a fenomenológico- existencial transita pelo “tabu morte” com muita propriedade, uma vez que permite ao indivíduo se posicionar diante do fenômeno como um fato concreto, irrefutável, próprio da condição humana. 

O objetivo deste estudo é pesquisar maneiras que possam contribuir para o bem-estar do indivíduo que está sofrendo diante da perda de um ente querido, ajudando-o a se libertar da culpa que possa estar sentindo ao se deparar com a morte. 

Com o auxílio de um caso clínico, pretendemos descrever as reações vividas por uma filha, enfocando principalmente seus sentimentos diante da morte de sua mãe. 

R. foi casada duas vezes e se separou. Tem duas filhas, uma de cada casamento. Teve mais sete irmãos que foram abandonados pela mãe quando ainda eram crianças. Segundo relatado pela cliente, o pai de R. maltratava muito sua mãe e dizia não amá-la. Vivia ameaçando a mãe de ir embora e deixá-la sozinha com as crianças.  

Certo dia, os pais de R. resolveram se separar. Seu pai construiu uma nova família. Sua nova esposa criou os oito filhos que o pai de R. tivera. Nas sessões, R. relata algumas das atitudes que sua madrasta tinha em relação a ela e aos irmãos.

R. relata que nunca conhecera sua mãe biológica, e foi descobrir que não era filha da madrasta aos dez anos de idade, através de um evento escolar, onde seu nome no diário de classe estava diferente do que conhecera. Após chegar em casa e dizer à madrasta o que havia ocorrido, essa por sua vez, compareceu na escola no dia seguinte procurando obter informações sobre o fato.

R. conviveu com essa história durante muitos anos de sua vida. Até então, o que sabia era sobre o abandono da mãe em relação a ela e aos irmãos. Certo dia, recebera a notícia que sua mãe estava no hospital muito mal e decidiu que queria conhecê-la. Não só a ela, mas a todos os irmãos. R., em um primeiro momento, não queria visitar sua mãe. A raiva e o rancor do suposto abandono tomavam conta de seu coração. “Como posso sentir amor por alguém que me abandonou? Mãe é quem cria. Não tenho nenhum vínculo com essa mulher”. (Relato de R). Porém, mesmo diante da dor, R. foi visitar sua mãe enferma.  

Chegando ao hospital, outra vez teve resistência em ver sua mãe. Os irmãos já tinham ido ao quarto e a viram muito mal. Quando chegou sua vez, R. entrou no quarto e, muito devagar, se aproximou da cama onde estava sua mãe. Ficou ali sentada durante aproximadamente uma hora sem conseguir dizer nada. R. conta que inúmeros sentimentos passavam em seu coração naquele momento: raiva, rancor, dor, perdão, amor, saudade, alegria, tristeza, etc. Era uma mistura de sentimentos que não sabia se posicionar diante deles, por isso não demonstrava nenhuma emoção. 

Depois de estar algum tempo do lado de sua mãe sem dirigir-lhe nenhuma palavra, resolveu então perguntar: “por que você nos abandonou”? Não obteve a resposta no momento em que perguntou. Mas, alguns minutos depois, veio o sussurro: “nunca abandonei vocês”. Neste dia, R. não disse mais nada à mãe devido ao seu estado de saúde e foi embora. Esteve a pensar durante o resto do dia o que realmente de fato teria acontecido em sua vida e a dos irmãos. 

No dia seguinte, recebe a notícia que sua mãe havia falecido. Sente raiva por não saber da verdade e não haver outra forma de sabê-la senão pela própria mãe e tê-la culpado durante todos esses anos por abandono. Atualmente, não sabe o que realmente aconteceu. A versão do pai era abandono.  

Para dar conta da angústia em que vivia, fazia uso constante de medicamentos controlados. R. suspirava o tempo todo, trazia uma expressão sofrida no rosto, perdeu totalmente a alegria de viver, não se preocupava com sua aparência, com a alimentação, fazia uso de medicamentos sedativos para dormir e antidepressivos. Não estava em tratamento psicoterápico até então. Foi quando seu médico a encaminhou para a terapia.   

“Morte é um caminho que sempre esteve na vida, nós recusamos reconhecer isto. Seria interessante considerarmos que a cada dia partimos e morremos mesmo em vida. A cada dia, nascemos para novas situações e, paradoxalmente, constatamos que somos seres para a morte. Porém, existem situações que não escolhemos, mas que precisamos aceitar”. (FUKUMITSU, 2004, p.20). 

O ser humano é dotado do sentimento de angústia que, durante o processo terapêutico, pode levá-lo a se posicionar diante de si mesmo e a se lançar em suas realizações. A negação ou a não aceitação desse sentimento, pode ser revertida em sintomas, patologizando, assim, a negação do próprio eu.

A existência humana é finita. O encontro com a morte é um fato inevitável. O que este estudo propõe para evitar um adoecimento diante da finitude do ser é tornar-se consciente do fato de que a própria existência implica a possibilidade do não existir, isto é, existência e finitude estão indissociavelmente ligadas.  

Ter a consciência da morte deve servir para impulsionar a vida, pois não se vive esperando o momento intransferível de morrer e, por isso, devemos contemplar intensamente cada momento que nos surge no aqui e agora. Cada pessoa percebe-se diferentemente. Nunca uma situação ocorrida com outra pessoa é vivida igualmente por outrem. Tentar se posicionar e viver como o outro viveu é se anular, ser inautêntico e deixar-se ser corrompido e destituído de possibilidades.

A psicoterapia que lida com indivíduos que estão abalados diante da morte do outro deve ajudá-los a questionar não só a sua posição diante da vida e da perda, mas as escolhas vivenciadas por quem morreu. 

Abordar a morte do outro como uma situação penosa pode estar diretamente ligada ao confrontamento de: quem sou eu, como estou assumindo as minhas vontades e responsabilidades, o que pesa mais em minha vida, meus conceitos ou os pré- conceitos e normas ditadas pela sociedade. 

“Concluindo. Quero enfatizar a discussão correlacionada com as escolhas. Somos responsáveis por nossas escolhas. Porém, às vezes, ao enfrentarmos situações de perdas podemos sentir que não podemos fazer nossas próprias escolhas. Acredito que, como seres humanos, não escolhemos sofrer. Se pudéssemos evitar o sofrimento, com certeza o faríamos. Em contrapartida, escolhemos o modo com percebemos nosso sofrimento. É nosso dever recuperar nossas vidas. Apesar da dor causada pela perda, temos de nos reconectar com a força, a esperança e o sentido de vida que nos é inerente. A maneira que lidamos com o sofrimento é uma questão de escolha”. (FUKUMITSU, 2004, p.83). 

Ainda segundo a autora, nossas perdas são as lições mais difíceis que precisamos aprender. Perdas fazem parte de nossa experiência de aprendizagem em vida. Perdas acontecem, porque são também experiências. O que fazemos com nossas experiências é uma questão de escolha. O que fazemos com a dor, com as necessidades e com as questões da vida pertence a um território que é do humano e somente a nós cabe a responsabilidade de estar vivos.

 

REFERÊNCIAS 

AUGRAS, Monique. O ser da compreensão: fenomenologia da situação de psicodiagnóstico. 6 ed. Petrópolis: Vozes, 1996. 

BECKER, Ernest. A negação da morte. Rio de Janeiro: Record, 1973. 

BOSS, Medard. Angústia, culpa e libertação. 4 ed. São Paulo: Duas Cidades, 1988. 

ERTHAL, Tereza. Terapia vivencial: uma abordagem existencial em psicoterapia. Petrópolis: Vozes, 1989. 

FUKUMITSU, Karina Okajima. Uma visão fenomenológica do luto: um estudo sobre as perdas no desenvolvimento humano. Campinas (SP): Livro Pleno, 2004.  

HEIDEGGER, Martin. Ser e tempo. 3 ed. Petrópolis: Vozes, 1989. 

KOVÁCS, Maria Júlia. Morte e desenvolvimento humano. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1992. 

KUBLER-ROSS, Elizabeth. Sobre a morte e o morrer. 4 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991. 

RIBEIRO, Wânier. Fragmentos de um caso clínico: enfoque fenomenológico- existencial. Psique. Belo Horizonte, Ano 10, n.16, p.57-76, maio 2000. 

STEINER, George. As idéias de Heidegger. São Paulo: Cultrix, 1982. 

STRATHERN, Paul. Sartre em 90 minutos. Rio de Janeiro: Zahar, 1999. 

TILLICH, Paul. A coragem de ser. 4 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991.  


[i] Acadêmica  do curso de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva 

[ii] Professora supervisora de estágio do curso de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva

Anúncios

Discussão

Os comentários estão desativados.

Núcleo de Publicações Acadêmicas Newton Paiva

A REVISTA DE PSICOLOGIA é uma publicação do Curso de Psicologia e desenvolvida pelo Núcleo de Publicações Acadêmicas do Centro Universitário Newton Paiva