//
você está lendo...
EDIÇÃO 2

E2-30 O REVELAR DO SER: contribuições de uma psicoterapeuta iniciante

Leila Ferreira de Sousa[i]
Fernando Dório[ii] 

Resumo
Este artigo é resultado de uma prática de estágio que tem como objetivo apresentar a relação estabelecida entre psicoterapeuta e cliente durante o processo psicoterápico, assim como a compreensão da realidade existencial do cliente. O espaço utilizado é a clínica escola de Psicologia, do Centro Universitário Newton Paiva e o referencial teórico é a Psicologia Existencial-Fenomenológica. 

Palavras – chave: Psicoterapia. Fenomenologia. Ser-com-os-outros. Ser-no-mundo.

 

“Em tempo: transformar é também criar as condições para que o outro se transforme, seguindo a direção que para ele fizer sentido. Em psicoterapia tenta-se isso”.
Luiz A. G. Cancello (1991) 

 

Este artigo tem o intuito de descrever a relação psicoterapeuta-cliente que ocorre no setting terapêutico a qual de certa forma, contribui para o êxito ou até mesmo, para o fracasso do processo psicoterápico. A fala do cliente e a escuta da psicoterapeuta foram os subsídios utilizados para identificar as manifestações dos conflitos internos e angústias experienciadas neste processo, uma vez que, segundo Feijoo: 

O percurso psicoterapêutico vai se dar de modo que o psicoterapeuta possa assumir o lugar de mensageiro do discurso do cliente, num processo mútuo de corresponder e des-prender […]. No corresponder, a fala desprende-se quando escuta. No des-prender, a escuta se dá simultaneamente com o responder. Compreende-se que é deste modo que se dá o processo de “escutas e falas” do psicoterapeuta e do cliente. (FEIJOO, 2002, p. 154-155). 

A clínica psicológica, na perspectiva fenomenológico-existencial, baseia-se na premissa de que o homem se constitui no mundo como ser-no-mundo, isto é, situado nele e em relação com ele. Neste sentido, o psicoterapeuta trabalhará para que seu cliente “possa se reconhecer em sua vulnerabilidade, com liberdade perante seu ser de possibilidades e não como um ente simplesmente dado pela sua função no mundo.” (Feijoo, 2002, p.132).  

O processo psicoterápico transcorre por caminhos onde o desenvolvimento pessoal do cliente soma-se ao do próprio psicoterapeuta. Sendo assim, Angerami-Camon diz que: 

“existe uma contaminação nas duas partes do processo, pois se é fato que o paciente se desenvolve no processo psicoterápico abrindo seu campo perceptivo para inúmeras possibilidades que a vida se lhe apresente, é também verdadeiro que o psicoterapeuta se desvela nesse processo e, além de modificar seu campo preceptivo, cresce em níveis muito exacerbados no tocante á sua própria condição humana.” (ANGERAMI-CAMON, 2002, p.17-18). 

Para melhor compreender o que se passa no processo psicoterapêutico, cabe relatar um encontro entre um cliente e uma psicoterapeuta iniciante. Neste artigo o nome verdadeiro do cliente será substituído por Pedro, na intenção de preservar a sua identidade. 

Pedro chega a clínica escola da faculdade encaminhado pelo centro sócioeducativo onde cumpre medida em regime de internato. Não sabe ao certo o motivo sobre seu encaminhamento para o atendimento psicológico, só sabe que “tinha que vir” (sic). Aos quinze anos relata estar preso por latrocínio, tráfico de drogas e homicídio. Pedro mora com a mãe, um irmão, uma irmã e uma sobrinha. Seu pai morrera quando estava tutelado em um centro de internação em outro município. Durante a sessão, a psicoterapeuta tem a percepção de que Pedro fala de modo ameaçador e desafiador, ao contar sobre sua participação em assaltos, perseguições policiais e rebeliões. O que a deixa sem saber o que dizer, pois até certo ponto, sentia-se realmente receosa. Nas sessões seguintes percebe que Pedro fala de coisas superficiais mantendo uma linguagem impessoal, sinalizando à psicoterapeuta a se inteirar de sua realidade. Questionando sobre o significado de algumas gírias, ele a convida a compreender o seu mundo e ao mesmo tempo se aproximar do dela, uma vez que também quer saber coisas sobre sua realidade.  

Como psicoterapeuta iniciante, a mesma não sabe ao certo como sair destes questionamentos e desafios impostos pelo cliente, chega às vezes a finalizar a sessão, aparentemente mais angustiada que ele próprio. Pedro tem o hábito de fazer pausas em seus relatos, olha rapidamente para sua psicoterapeuta, investiga sua expressão facial, seus pensamentos. Percebe-se, talvez que Pedro busca confiança. Deseja saber se pode confiar em sua psicoterapeuta, se ela irá compreender o que fala ou se fará o papel de juíza. Procura ver sua disponibilidade em ter acesso a sua realidade existencial. 

Na função de psicoterapeuta iniciante, a mesma, deu-se conta de como o interesse em compreender o cliente em suas vivências mais singulares frequentemente bloqueia a compreensão do que ele esta experimentando no setting psicoterápico. O processo psicoterápico promove o encontro de dois seres, de dois mundos diferentes, no qual, se o psicoterapeuta não estiver aberto a mudanças, a suspender seus valores, o cliente também não estará. 

Na Psicoterapia Existencial, o psicoterapeuta utiliza como método de investigação a fenomenologia, por meio do qual ele deve suspender, colocar entre parênteses conhecimentos, valores, crenças pessoais, com o objetivo de estabelecer uma relação de confiança, um espaço seguro para se realizar uma investigação sobre a maneira como a pessoa está no mundo. Para assim, remeter o indivíduo a si mesmo, fazendo-o reconhecer sua impessoalidade e questionar-se sobre sua própria existência e suas relações com o mundo e outros entes, descobrindo quem ele de fato é e construindo quem ele quer ser. Para Lessa e Novaes de Sá: 

O objetivo da psicoterapia não é enquadrar o paciente em padrões morais ou em modelos teóricos, mas buscar compreender as possibilidades singulares de existir de cada um, tal como ele as experimenta em suas relações com as pessoas e coisas que lhe vêm ao encontro no mundo. (LESSA; NOVAES DE SÁ, 2006, p.394). 

O discurso de Pedro é grandioso e recheado de imaginações. Conta e reconta sua história de envolvimento no tráfico em diferentes ângulos. Não se implica como agente construtor de sua realidade, mas sim, como uma vítima do sistema. Relata um episódio de rebelião em um dos centros sócioeducativos no qual esteve internado. Diz que uma determinada juíza ao entrar nesta instituição foi recebida com pedaços de telhas atirados pelos adolescentes que estavam em cima dos telhados dos alojamentos. Em reação, a juíza deu ordem aos policiais para que estes atirassem balas de borracha nos garotos, o que lhe causara grande estranheza. “Como era possível uma juíza mandar atirar balas de borrachas em adolescentes, e se uma dessas balas acertasse o olho de um menino e este morresse?” (sic). Na tentativa de chamar a atenção de Pedro para as conseqüências de seus atos, a psicoterapeuta lhe responde: “E se um desses pedaços de telha acerta a cabeça da juíza e ela morre?” (sic). Pedro demonstra certo nervosismo e responde com um sorriso um tanto quanto irônico: “Se isso acontecer é uma juíza a menos pra nos prender” (sic). A psicoterapeuta responde de imediato: “E se um desses adolescentes morrer será um adolescente a menos para matar, roubar, traficar…” (sic). Pronto, a palavra foi lançada, não há mais volta. Um silêncio extenso e tenso paira no ar. Psicoterapeuta e cliente se entreolham. Pedro expressa grande surpresa em seu rosto, parece não acreditar no que ouviu. Mas este foi um dos pontos cruciais no processo psicoterapêutico de Pedro, algo de diferente neste dia aconteceu.  

 A fala da psicoterapeuta neste momento da sessão, tentava chamar a atenção de Pedro, mostrar-lhe uma relação de trocas no modo de existir, e que aquilo que acontece ao outro, também pode lhe acontecer. Uma vez, que o homem é um ser de relações, um dos modos de ser é um ser-com-os-outros. De acordo com Roberto, 

O Dasein partilha com os outros o espaço que lhe circunda. Em sua ocupação ele se encontra a si mesmo e aos outros. Sem o outro de nada adianta existir. Ser lançado no mundo possibilita ao Dasein mergulhar na aventura da partilha deste mundo com os outros. O Dasein é com os outros. O Dasein como ser-com-os-outros: estando lançado-no-mundo, o Dasein mantém uma interação consigo mesmo, com os demais entes (todas as coisas) e com o mundo. (ROBERTO, 2009). 

Na sessão seguinte, Pedro demonstrou um pouco mais de abertura, porém, ainda manifestou grande dificuldade em falar de si. Continou a contar sobre seus feitos na comunidade onde residia antes de ser preso, do controle que tinha e ainda tem, sobre o tráfico de drogas na região. Sobre compra de armamentos, suas guerras com os traficantes de outras comunidades. Diz de suas visitas a casa da mãe nos finais de semana, e de seus planos de destruição em massa de uma comunidade rival, algo da ordem de seu imaginário grandioso e onipotente.  

Neste ponto, é importante que o psicoterapeuta mantenha-se atento a fala de seu cliente, ou seja, aos fenômenos que este apresenta, para que consiga através de sua tagarelice, extrair revelações mais autênticas a seu respeito. De acordo com Feijoo (2000, p. 140) “não é o cliente que deve ser rotulado como resistente porque tagarela, aliás, é nisto que reside sua dificuldade. É o psicoterapeuta, com sua capacidade de escuta, que deve buscar na tagarelice a revelação daquele que lhe pede ajuda”. E assim foi feito. A psicoterapeuta de Pedro buscou compreender este discurso grandioso de seu cliente, como a maneira deste existir. Ao psicoterapeuta não cabe investigar se é verdade ou mentira o que seu cliente diz. Em psicoterapia, “verdade, aqui, significa não mentira. E como não há apenas um sentido possível, pois as direções de uma vida são inesgotáveis, há diversas aberturas verdadeiras. Mentira é tudo o que fecha os caminhos. É o lugar onde o erro tenta o psicoterapeuta” (Cancello, 1991, p. 40). Portanto, independente da constatação de verdade ou mentira, o que o cliente fala é a sua verdade, e a maneira como ele vai lhe dar com isso é o que importa.  

As sessões prosseguem. É preciso paciência, pois, “com impaciência, pode-se afastar o outro de sua possibilidade mais própria” (Feijoo, 2000, p.133). Pedro está se modificando lentamente. Embora responsabilizando o outro por suas escolhas, já fala um pouco mais de si.  Atribui ao pai a responsabilidade pela escolha dos atos infracionados. Conta que seu genitor batia em sua mãe, então ele se revoltava e por isso começou a mexer com as drogas. Porém, sempre que era convocado a aprofundar um pouco mais nessas questões, se fechava e passava a falar com impessoalidade no intuito de retirar o foco de si próprio.  

O tempo vai passando. A situação de Pedro dentro da medida sócioeducativa é de extrema importância para a psicoterapia. No momento ele tem sido inserido no processo de desligamento, o que tem lhe gerado grande angústia. Segundo informações dos responsáveis pelo centro sócioeducativo, a mãe de Pedro, perante ele, diz estar feliz com sua liberação, porém quando não está por perto, relata que embora o filho não tenha conflitos com ninguém, ela não o quer de volta, uma vez que foi ela quem o denunciou a polícia. Quando os profissionais envolvidos no caso de Pedro dizem a ele a posição da mãe, ele chora o dia inteiro. 

Na sessão seguinte ao fato, Pedro chega visivelmente angustiado. A psicoterapeuta diz perceber que ele está mais agitado, pergunta-lhe se aconteceu alguma coisa, mas Pedro não quer falar. Sua vontade é respeitada. Silêncio na sala. Depois de algum tempo, pergunta novamente se ele quer conversar. Pedro desta vez responde que sim, que uma conversa o fará bem, porém, continua em silêncio. A saída que encontra é dar asas ao seu imaginário, passando a falar sobre como destruirá uma das comunidades com a qual tem guerra. A psicoterapeuta deixa-o falar, procura não intervir, pois seu discurso não mais se sustenta. Pedro diz estar ansioso em relação a sua saída do centro sócioeducativo. Em todo o processo, é a primeira vez que diz de um sentimento seu. 

Pedro não dá mais conta de se manter neste papel, e diz em meio a toda sua angústia ser apenas um “traficante lero-lero” (sic). A psicoterapeuta se surpreende e lhe pergunta: “Como é ser um traficante lero-lero Pedro?”. Ele responde: “É só distribuir a droga, não faz muita coisa não” (sic), em seguida continua sua fala com superficialidade. Mas, sua angústia é maior. Pedro precisa revelar quem realmente é. Então de traficante lero-lero, ele diz ser apenas um “lero-lero” (sic). De cabeça baixa diz: “Eu só falo que faço as coisas, mas na verdade eu não faço nada” (sic).   

Diante desta fala algo se revela. A seu tempo, o modo de ser-no-mundo de Pedro apareceu, trazendo consigo a esperança de ser a abertura para revelações fundamentais, ou  seja, a abertura do ser perante o existir, “pois em termos de existência, acredita-se poder apenas compreender, acompanhar o existir no seu fluir no tempo.” (Feijoo, 2002, p.135). Na percepção da psicoterapeuta, Pedro encontra-se perdido no seu eu em busca de um lugar no espaço, da construção de sua identidade, na qual de acordo com Feijoo: 

No desespero de não ser si mesmo, ele é aquilo que o mundo diz que ele deve ser. Vai para o impessoal. O tempo todo o eu baseia-se na consciência de ter um eu, ou seja, na modalidade da consciência, indo ao mundo e vindo a si próprio. E é aí que está o grande perigo, pois é muito fácil se perder no mundo, como também perder-se em si mesmo. (FEIJOO, 2002, p.146)

Portanto, é papel do psicoterapeuta compreender o seu cliente, proporcionando-lhe um espaço acolhedor, onde ele possa se reconhecer como agente construtor de sua existência. Ao proporcionar uma fala em liberdade, o psicoterapeuta permite também, que o ser se revele, se mostre em si mesmo no sentido da palavra, do gesto ou do silêncio.  

Pedro até aqui permaneceu na inautênticidade, no seu modo de ser-no-mundo cercado de contradições, porém seu processo continua. Não sabe-se o que acontecerá daqui para frente. É preciso mais uma vez esperar pelo tempo. Esperar e acreditar que transformações são possíveis. Uma vez que a psicoterapia existencial-fenomenológica nos concebe o homem “sempre como abertura para possibilidades de outras formas de expressão, autênticas, próprias e singulares”. (Feijoo 2002, p.141). O psicoterapeuta deve assim, avançar no processo com seu cliente na abertura de novos caminhos, na ampliação de seu campo perceptivo, restabelecendo o movimento de encontro com si próprio, como acontecer, como existir.

 

REFERÊNCIAS 

ANGERAMI-CAMON, Valdemar. Psicoterapia, detalhes e nuances. In: ______: ANGERAMI-CAMON, Valdemar (Org.) Psicoterapia Fenomenológico-Existencial. São Paulo: Pioneira Learning, 2002. Cap. 1, p.1-43. 

CANCELLO, Luíz A. G. C. O sonho. In: ______. CANCELLO, Luíz A. G. C. O fio das palavras: um estudo de psicoterapia existencial. São Paulo: Summus Editorial, 1991. 2 ed. p.  35-42. 

FEIJOO, Ana Maria L. Calvo. A psicoterapia em uma perspectiva fenomenológico-existencial. In: ______: ANGERAMI-CAMON, Valdemar (Org.) Psicoterapia Fenomenológico-Existencial. São Paulo: Pioneira Learning, 2002. Cap. 7, p.131-157. 

In: ______. Metodologia. In: ______: FEIJOO, Ana Maria L. Calvo. A escuta e a fala em psicoterapia: uma proposta fenomenológico-Existencial. São Paulo: Vetor, 2000. Cap. 4, p.119-169. 

LESSA, Jadir Machado; NOVAES DE SÁ, Roberto. A relação psicoterapêutica na abordagem fenomenológico-existencial. 2006. p. 393-397. Disponível em: <http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/aps/v24n3/v24n3a13.pdf>. Acesso em: 13 de maio de 2010. 

ROBERTO, Luciano da Silva.Os modos de ser do “Dasein” a partir da analítica existencial heideggeriana. 2009. Disponível em: <http://www.pensamentoextemporaneo.wordpress.com/2009/08/15/os-modos-de-ser-do-%E2%80%9Cdasein%E2%80%9D-a-partir-da-analitica-existencial-heideggeriana/ >. Acesso em: 30 de maio de 2010.

 


[i] Acadêmica do Curso de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva 

[ii]Professor supervisor de estágio do curso de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva

Discussão

Os comentários estão desativados.

Núcleo de Publicações Acadêmicas Newton Paiva

A REVISTA DE PSICOLOGIA é uma publicação do Curso de Psicologia e desenvolvida pelo Núcleo de Publicações Acadêmicas do Centro Universitário Newton Paiva