//
você está lendo...
EDIÇÃO 2

E2-37 A Histérica e a dificuldade de perder o que não tem

 

Maria das Graças Ferreira Braga Ribeiro[i]
Nádia Laguárdia[ii] 

RESUMO
O presente artigo foi desenvolvido a partir de um caso atendido na Clinica de Psicologia da Newton Paiva. Ele aborda, a partir do referencial teórico psicanalítico, a neurose histérica, relacionando-a com a saída do Édipo na menina.

Palavras-Chave:Édipo da Menina. Falo. Histérica. Insatisfação.

 

“Na menina, a castração é assumida por ela mesma quando a mãe, que tem desejo do desejo do pai, se converta para ela em uma mulher que sabe encontrar em seu homem aquilo que ele não possui[iii]
François Perrier 

 

Norma[iv], 51 anos, chega à clinica relatando que desde que seu pai morreu, há cinco anos, vem sofrendo com ansiedade, angústia e tem chorado muito. Sua médica a orienta buscar ajuda terapêutica, além do tratamento farmacológico. Norma, em seu discurso, traz de forma recorrente a reedição do Édipo atualizado, numa disputa fálica com seu irmão. Conta que eles são brigados e só conversam o mínimo necessário. Acrescenta que sua mãe tem preferência por ele, confere a ele a autoridade e a confiança para poder administrar todos os bens da família, inclusive a pensão deixada pelo pai para a mãe. 

Segundo Freud (1924), a crença na universalidade do pênis é pré-condição necessária para a constituição do Complexo de Édipo em ambos os sexos. Na menina, o Édipo não termina com a castração. O principal acontecimento se dá com a separação da mãe, que remete à separação original do seio materno. Segundo Freud, tendo em vista que a mulher não se consola com esta separação, carrega com ela a marca do ressentimento por ter sido deixada na insatisfação. Esse ressentimento, esse ódio primitivo desaparece sob efeito do recalcamento, e surge novamente por ocasião do complexo de castração. Nesse momento fundamental ocorre a separação entre mãe e filha.

Ainda segundo Freud (1924), em toda a relação entre uma menina e seu pai, há que se considerar que houve antes, com igual ou maior intensidade, uma relação de amor com a mãe. A menina goza de sua mãe pela alimentação e pelos cuidados corporais. É o mesmo que dizer que são os primeiros cuidados com a criança que introduzem a sexualidade infantil. A menina somente chega ao amor do pai pela via do amor da mãe. Essa mudança de objeto de amor ocorre a partir da percepção da própria castração. Ou seja, a menina fica em falta da mãe, na entrada de um terceiro na relação, o pai ou aquele que pode ocupar esse lugar. É à medida que o desejo da mãe se volta para esse outro que a menina percebe que não completa a mãe, que não é tudo para a mãe. É só quando se dá conta de que sua mãe não é completa, mas faltante, assim como ela mesma, que então pode abandonar seu apego primário à mãe e tomar o pai como objeto.

Quando ocorre essa mudança de objeto de amor, a filha acusa a mãe de não ter cuidado bem dela, de não lhe ter alimentado o suficiente, isto é, “a mãe não lhe deu leite bastante, não a amamentou o suficiente”. (FREUD, 1924 p. 269).        

Freud considera que o Édipo da menina é mais complicado que o do menino e enumera quatro consequências possíveis: a primeira ocorre na menina um sentimento de inferioridade, de menos valia. A menina reconhece sua ferida narcísica e surge a inveja do pênis. 

A segunda consequência da inveja do pênis caracteriza o modo particular do ciúme feminino. Ainda no registro narcísico, a partir da imagem do outro, em que Freud remete à fantasia “Uma criança é espancada”. De modo especial, o primeiro tempo dessa fantasia, é: “o pai bate na criança de quem tenho ciúmes”.  Nesta fantasia feminina, a criança espancada é acariciada e nela só os meninos são espancados, logo ser espancado equivale a ser “amado”.

A terceira consequência se dá ao certificar-se da sua castração, que leva então o desvanecimento da ligação terna à mãe, enquanto objeto. Deste modo, a filha responsabiliza a mãe por sua falta de pênis, acusando-a de não lhe ter dado um verdadeiro orgão genital como deu ao menino. 

Finalmente, a inveja do pênis na menina provoca uma intensa reação contra a masturbação clitoridiana, que comporta a humilhação narcísica insuportável. Posteriormente, a menina coloca o pai como substituo da mãe, o desejo de um filho toma lugar do desejo do pênis que culmina na equação simbólica: pênis= filho, até que ocorra uma nova posição.  

Norma acredita que se o pai estivesse vivo isto não estaria acontecendo. Idealiza seu pai, que em seu discurso a coloca num lugar de destaque em relação ao irmão. Segundo Norma, o pai sempre a achou mais dinâmica, mais inteligente que o filho. Ela diz: “papai era severo, mas amoroso, batia muito quando necessário, mas era correto. Papai quando era vivo acreditava no meu potencial, me escutava e tinha muito receio de que eu desenvolvesse, mais e melhor que meu irmão, mesmo assim ele delegou a ele muitas tarefas e não confiou nenhuma a mim”.

Palonsky (1997) ressalta que, na competição fálica, a histérica pode se posicionar frente ao homem como se fosse homem, até para dizer que, como homem, é melhor do que eles. Nesta competição é o outro (semelhante) que é castrado e não o grande Outro. Tornar o outro castrado é apontar sua impotência, não só como uma metáfora. 

Para a histérica, manter o Outro completo é um modo de defender-se da angústia provocada pelo Outro castrado, deste modo trazer a castração para si é permanecer sempre como insatisfeita. 

A demanda de amor da mulher neurótica implica em não haver limites, nunca o que é recebido é suficiente, algo sempre falta. A menina busca a completude através do falo, e como não encontra algo que a preencha, mantém-se eternamente insatisfeita.  

Segundo Lacan (1970), a histérica promove o pai à condição ideal. Esta condição se faz presente mesmo quando a histérica evidencia o pai como um incapaz em relação a uma função que ele não teve bom desempenho. No entanto, mesmo que ela chegue a considerá-lo incapaz, a histérica dá a ele um destino simbólico que se aproxima ao título de um ex-combatente. Afinal ele é pai até o fim de sua vida, assim como um ex-combatente. 

Campos (2007) destaca o pai como a figura de proa da família e da sociedade civil. Um pai é como um muro de proteção, que impede, protege e delimita a vida do sujeito. Ele diz não ao gozo incestuoso, mas diz sim ao desejo com gozo regulado. 

Norma, em uma sessão, relata que: “(…) eu andei pensando e percebi que tenho muita dificuldade em lidar com as perdas, foi assim com a morte de meu pai, o divórcio, e as perdas finceiras também (…)”  

A problemática histérica gira em torno da falta do falo, dessa posição de não ser o falo e de também não tê-lo, seu sintoma se apresenta sob forma de demanda. Sua insatisfação aparece como alguma coisa que falta, algo que ela não alcança. 

O trabalho analítico visa uma saída que implica o atravessamento da angústia no confronto com o real. “Se deparar com a impossibilidade é a única saída para o que é possível”. (PALONSKY, 1997, p.83)

 

REFERENCIAS 

ANDRÉ, Serge. O que quer uma mulher?Rio de Janeiro. Jorge Zahar. 1998 Cap. 10, p.170-188.  

CAMPOS, Sergio d. Perspectivas futuras da paternidade.  P.1-5 s/d 

FREUD, S. A dissolução do Complexo de Édipo (1924) In______ Edição Standard brasileira das obras psicológicas completas. Trad. De Jayme Salomão. Rio de Janeiro: Imago, 1969 v. XIX. 

FREUD, S. Sexualidade feminina (1931) In______ Edição Standard brasileira das obras psicológicas completas. Trad. De Jayme Salomão. Rio de Janeiro: Imago, 1969 v. XXI.

PALONSKY, Cíntia. M. Estruturas clínicas na clínica: A histeria. Belo Horizonte. PUC Minas, 1997, 86 p. 


[i] Acadêmica  do curso de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva 

[ii] Professora supervisora de estágio do curso de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva 

[iii] François Perrier, no seu artigo “Estrutura histérica e dialogo analíticos”, 1987, p. 167 

[iv] Nome Fictício

Discussão

Os comentários estão desativados.

Núcleo de Publicações Acadêmicas Newton Paiva

A REVISTA DE PSICOLOGIA é uma publicação do Curso de Psicologia e desenvolvida pelo Núcleo de Publicações Acadêmicas do Centro Universitário Newton Paiva