//
você está lendo...
EDIÇÃO 2

E2-38 Que tem no corpo essa marca possui a estranha mania de ter fé na vida: resiliência como propulsora para a superação de adversidades

 

Maria Teresinha de Oliveira Cardoso[i]
Cláudia Neto[ii] 

RESUMO
O presente artigo tem como objetivo buscar um embasamento teórico para as situações vivenciadas pelas pessoas diante de situações adversas e a forma como estas lidam com as intempéries cotidianas, conseguindo reestruturar suas vidas a partir do ponto em que se encontram, utilizando estratégias de superação. 

Palavras-chave: Superação. Coragem. Estratégias. Adversidade.

 

As pessoas que se tornam capazes de fazer brotar amor, coragem, alegria e prazer em meio aos obstáculos e revezes que vivenciam, e estão a todo instante bordejadas pela força geradora que as fazem desvendar novos caminhos em um mundo por onde a devastação imperou, podem fazer parte do que propõe o conceito de Resiliência. 

São chamados resilientes, os indivíduos que aprendem a conviver com um cenário adverso e dele são capazes de extrair forças suficientes para resistir e superar as adversidades ou serem positivamente transformados por elas. 

Masten (2001) apud Cecconello (2003) se refere ao termo resiliência como sendo um fenômeno caracterizado por resultados positivos na presença de sérias ameaças ao desenvolvimento da pessoa. 

Segundo Cecconello (2003), os fatores que contribuem para a resiliência dentro das famílias são vários e estão quase sempre relacionados à coesão familiar, à qualidade do relacionamento entre pais e filhos, ao envolvimento paterno na educação da criança e às práticas educativas envolvendo afeto, reciprocidade e equilíbrio de poder. Esses fatores favorecem o desenvolvimento de crianças e adolescentes. 

Nesse cenário, encontramos pessoas que a sociedade desconhece e permanecem obscuras e veladas sem voz; que se sentem a todo tempo expropriadas de seus direitos; sofrendo violações alarmantes que povoam a crônica diária, como a exclusão social, preconceito, abuso sexual, sofrimento frente às catástrofes sociais e naturais, separações conjugais traumáticas, o impacto das drogas na família, desemprego e uma série inumerável de outras agressões físicas, morais e psicológicas.

Nesse sentido nos ancoramos na afirmação de Masten e Garnezy (1985), que defendem a ideia de que a resiliência pode ser tanto ameaçada pelos eventos de vida estressantes como reforçada por eles. Para eles, as circunstâncias mais favoráveis para promover resiliência não estão relacionadas com a ausência de stress, mas com desafios graduais que reforçam as habilidades pessoais, as estratégias de superação que se apoiam nas características pessoais. Para esses autores, o sucesso durante a negociação com os eventos de vida estressantes parece desempenhar um efeito inoculador, reforçando a resistência ao stress. (CECCONELLO, 2003). 

Na minha prática de estágio na Clínica de Psicologia da Newton Paiva pude notar essa força de superação nos casais que buscam atendimento.     

O que podemos observar é que uma grande maioria dessas famílias, mesmo em situação fragilizada, demonstra uma certa força que as capacita e prepara para encarar os desafios próprios das crises. Atualmente psicologia tem se apropriado do conceito de Resiliência para dar voz a esse tipo de personagem que escreve e atua no enredo de sua própria história. 

 Nos atendimentos na clínica, têm-se a oportunidade de conhecer muitas pessoas resilientes e aprender com eles.  

Um caso em especial de L., uma mulher de 28 anos, de origem humilde, semianalfabeta, casada e com 3 filhos, que chega ao consultório com um histórico familiar de abandono paterno e exposição a todos os tipos de privações na infância. Em seu relato, L. conta que cresceu tendo como cenário a crueza da vida na periferia, onde a carência material atrelada à fragilidade dos vínculos afetivos e sociais a colocaram ainda muito cedo frente a frente, com uma realidade fria e inóspita. 

Obrigada pela situação, foi forçada a depender da caridade das pessoas para ajudar na manutenção da casa, o que a obrigava a perambular todos os dias pelas ruas do bairro pedir auxílio. Mas, aos 14 anos, L. traz para a mãe a seguinte fala:

– A partir de hoje, vamos fazer qualquer coisa, menos pedir esmolas. 

E começa então a sua caminhada na direção da conquista da autonomia. L. vai lavar e passar roupas, o que deixou cicatrizes permanentes na parte externa dos dedos de suas mãos pelo ato constante de esfregar. 

Aos 16 anos L. se une maritalmente a J. , um homem 17 anos mais velho que ela, com o qual tem mais dois filhos. Numa situação de extrema submissão, dominada por um ciúme excessivo de J., L. se vê impotente e mergulha num processo depressivo, chegando a pensar no suicídio como libertação para o seu sofrimento.   

Neste momento que ela chega ao consultório, fragilizada, sem esperanças, desorientada quanto ao seu papel de mulher, L. traz sua história sofrida e um rótulo dado pelo companheiro: “Meu marido me diz todos os dias que eu sou um inseto”.  

A partir desse significante, foi possível trabalhar com L. a construção de sua própria verdade. Qual era o conceito que ela tinha de inseto dentro dela que a fazia colar nessa fala e incorporar o seu sentido real? Ao ser convocada a pensar sobre sua posição frente a esse rótulo, L se põe a trabalho, buscando ressignificar os conceitos que tinha sobre si. Passou a se olhar com mais cuidado, e a buscar o seu lugar na relação com o marido, os filhos e principalmente consigo mesma. A fala do marido foi deixando de incomodá-la, pois sabia que não ocupava mais aquele lugar de inseto. Arranjou um emprego de doméstica e hoje ajuda o marido na reforma da casa com o seu salário, cuida dos filhos, vai às reuniões da escola, participa das festas da família e viaja com a família. O marido nunca mais a chamou de inseto e atualmente a trata com carinho e a respeita. Este ano, voltou a estudar e faz planos para o futuro. Atualmente L. diz que não é uma pessoa perfeita, porque não existe ninguém perfeito, mas considera-se muito feliz com o que conseguiu superar em sua vida.  

Podemos constatar neste caso, a proposta defendida pelos estudiosos de que a Resiliência não é uma qualidade étnica e extraordinária, nem uma característica intransferível de um grupo especial de pessoas. É, sobretudo, o resultado das qualidades comuns que uma determinada pessoa já possui. Quando estes valores e virtudes são corretamente articulados e suficientemente desenvolvidos, trazem como resultado essa característica que marca as mulheres que são capazes de operar grandes transformações seja em si mesmas ou no mundo que as circunda.  

Isso pode ser confirmado teoricamente nos princípios defendidos por Walsh (1996), quando nos revela que a importância de estudos sobre resiliência familiar reside na identificação de fatores que habilitam as pessoas a lidarem efetivamente com os processos de transição normativa e não normativa, superando os eventos estressantes de vida. A identificação desses fatores possibilita fortificar a família como uma unidade funcional, cuja força contribui para o desenvolvimento da resiliência de todos os seus membros. 

Podemos concluir que pessoas e ambientes resilientes podem ser encontrados em toda a sociedade, onde se observam atos de doação individual de homens e mulheres que se implicam e se engajam em causas nobres, alimentados por uma força propulsora da busca pelo possível, mesmo diante das barreiras estabelecidas pelas relações de poder. 


REFERÊNCIAS 

CARNEIRO,Teresinha-Féres (org.) Casal e Família.Entre a tradição e a transformação.Rio de Janeiro:Nau Editora,1999.

CECCONELLO, A. M. Resiliência e vulnerabilidade em famílias em situação de risco.Tese de pós-graduação. Curso de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Rio Grande do Sul, 2003. 

GEBARA,Ivone.”Levanta-te e anda.” Alguns aspectos da caminhada da mulher na América Latina.São Paulo:Edições Paulinas, 1989.


[i][i] Acadêmica do curso de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva 

[ii] Professora supervisora de estágio do curso de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva

Discussão

Os comentários estão desativados.

Núcleo de Publicações Acadêmicas Newton Paiva

A REVISTA DE PSICOLOGIA é uma publicação do Curso de Psicologia e desenvolvida pelo Núcleo de Publicações Acadêmicas do Centro Universitário Newton Paiva