//
você está lendo...
EDIÇÃO 2

E2-45 A fantasia e suas funções na psicoterapia infantil

 

Renata Berenice Gonçalves Nunes[i]
Maxleila Reis[ii] 

RESUMO
Este artigo apresentará uma análise do comportamento de fantasiar a partir da Teoria Comportamental, trazendo sua definição e abordando suas funções. Para um melhor entendimento, serão ressaltados aspectos observados na prática da clínica com crianças.  

Palavras – chave: Fantasia, comportamento, análise funcional, terapia analítico-comportamental 

 

O presente artigo tem o objetivo de discutir como a fantasia apresentada pelas crianças poderá ser utilizada como um recurso dentro do processo terapêutico. Para tanto, foi feito um levantamento teórico acerca do comportamento de fantasiar, apontando suas funções e vicissitudes à luz da Teoria Comportamental. Também serão apresentados exemplos a partir da prática do estágio supervisionado VI e VII em Clínica Comportamental realizado na Clínica Escola de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva. 

O comportamento de fantasiar tem aparecido na clínica infantil como um recurso encontrado pelas crianças para expressar seus sentimentos, sendo muitas vezes uma maneira de esquivar-se de estímulos aversivos. Também, o fantasiar pode auxiliar o terapeuta a discriminar os aspectos reforçadores e aversivos das contingências as quais essas crianças estão expostas nos vários meios em que convivem.  Além disso, pode ser utilizado nas intervenções. (HABER; CARMO, 2007). 

De acordo com a Teoria Comportamental, o fantasiar é um comportamento encoberto, visto que não é possível observá-lo publicamente. No entanto, o relato verbal permite o acesso a estes eventos privados que: “são identificados como comportamentos, estados ou condições internas do organismo, ou seja, estímulos internos” (HABER; CARMO, 2007, p.48); como por exemplo, os pensamentos, sentimentos, sonhos, sensações, dores, movimentos peristálticos entre outros. Em todos esses comportamentos somente o próprio indivíduo tem acesso. 

 Na definição proposta pela língua portuguesa, fantasiar significa “imaginar, devanear, vestir fantasia” (BUENO, 1996, p.287).  Skinner analisou o comportamento de fantasiar, definindo-o como “ver por percepção direta ou pela memória” (PENTEADO, p. 267). A partir dessas definições, pode-se aludir que a fantasia diz de algo particular do indivíduo, de sua história de vida e dos tipos de interações que estabelece com o meio.  

Na relação terapêutica, tem-se uma amostra de como o indivíduo se comporta e da interação que estabelece em outros ambientes. A fantasia apresentada pelo cliente nessa relação deve ser considerada no sentido de que o comportamento que ele evoca na presença do Psicólogo, e a demanda que ele apresenta sinaliza as condições que vive na interação com o meio.    

A fantasia apresentada pela criança na terapia possibilita o acesso do terapeuta às autorregras, aos comportamentos inadequados e à discriminação das crianças sobre suas ações. Dessa forma, é necessário conhecer a história de reforçamento da criança, buscando a relação do fantasiado com o dia a dia dela, para discriminar o que de fato corresponde à realidade.  (HABER; CARMO, 2007). 

Outro aspecto relevante da fantasia é quando o terapeuta a utiliza como instrumento de diagnóstico e intervenção. 

O psicólogo poderá planejar a intervenção com base nas informações fornecidas pela criança e atuar nos ‘momentos de fantasia’, levando o cliente a discriminar os determinantes de seus comportamentos inadequados e as possíveis alternativas. (Nalin-Regra,1993, apud Haber; Carmo, 2007, p.47) 

Uma intervenção possível na clínica infantil é levar a criança a apropriar-se dos personagens, através das histórias, brinquedos, filmes, livros, figuras, roupas e acessórios, onde a criança vivencia o faz de conta e escolhe ser um personagem. Na medida em que ela se apropria da história, do comportamento e dos sentimentos dos personagens, experiencia vários comportamentos que se assemelham às situações vividas por ela no dia a dia, aumentando assim seu repertório comportamental e desenvolvendo a habilidade de se comportar assertivamente nas diversas situações. Dessa forma, a criança vivenciando um personagem consegue ter mais clareza de seus sentimentos e poderá descobrir novas e diferentes maneiras de se comportar em situações adversas, além de refletir sobre suas emoções.  

Percebe-se que a fantasia que aparece na terapia auxilia o terapeuta na escolha de técnicas de intervenção que ajudem a criança a encontrar padrões de comportamento mais adaptativo. (REGRA, 2001) 

No atendimento a uma criança (Y) do sexo masculino de 6 anos de idade,  realizado na prática do estágio supervisionado Clínica Comportamental na Clínica Escola de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva, pode-se observar as várias funções abordadas anteriormente que a fantasia pode desempenhar. 

O garoto (Y) nos primeiros atendimentos não conseguia descrever seus comportamentos de maneira detalhada, além de apresentar também dificuldades de expressar seus sentimentos e pensamentos de forma direta, apesar de demonstrar desde o início ser uma criança ativa e extrovertida.  

Um dos recursos utilizados para desenvolver habilidades de relatar e identificar o repertório comportamental e, desta forma, identificar os estímulos reforçadores e aversivos que controlam seu comportamento, foi o lúdico, que propicia o comportamento de fantasiar já que a criança ainda não tem recursos para expressar e reconhecer com clareza seus pensamentos encobertos, sendo essa questão facilitada pelo brincar, onde a criança emite comportamentos de fantasiar.

Em uma situação apresentada no segundo atendimento, Y escolhe os cavalos e os bonecos para brincar. Inicia-se uma briga de cavalos, todos do mesmo tamanho, falando que “se for um maior com um menor não dá para brigar”. Então a terapeuta pergunta por que estavam brigando. Ele relata que uma briga é por causa da namorada, a outra pela televisão, porque cada um quer ver um programa e a televisão é só uma. Nesse momento percebe-se que Y está relatando de forma metafórica uma situação vivida no dia a dia com sua irmã. Neste sentido, a fantasia contribuiu para que a terapeuta pudesse ter elementos da interação de Y em outros ambientes diferentes do consultório.  

Em seguida Y inicia brigas com cavalos maiores e menores. A terapeuta pergunta para ele se tem outra maneira de resolver os problemas sem ser com brigas. Ele diz que tem que ter, pega um cavalo e pede desculpa para o outro. Em seguida, inicia uma “briga de humanos” da mesma forma, com pessoas do mesmo tamanho e depois maiores com menores. Quando os humanos estão brigando, a terapeuta diz que às vezes as famílias brigam. Ele comenta: “eu odeio quando a família briga”. Neste momento devem ser considerados os sentimentos relatados a partir do comportamento de fantasiar, pois ele pode estar apresentando alguma situação vivida por Y e sua família, já que ele está sob guarda provisória com sua tia aguardando a adoção definitiva que está em trâmites legais. 

Y então coloca todos os humanos e animais dentro de um caminhão e inicia uma briga entre o touro vermelho (que é do mal) e o cavalo branco (do bem), sendo que ele escolhe ser o branco. Eles brigam e a cada hora um se fere, mas o branco é vitorioso. O caminhão começa a cair de um barranco e o touro do mal está dentro do caminhão, atrás das pessoas e dos outros animais. O cavalo branco salva a todos, inclusive o touro do mal. Y fala: “não é só porque ele é do mal que não vou ajudar ele”. Ele comenta: “eu odeio quando a família briga”. Anuncio o fim da sessão e começamos a guardar os objetos, ele comenta: “já esta acabando, passa rápido, hoje eu não gostei porque teve muita briga”. Nesse atendimento, percebe-se que Y pôde descrever contingências aversivas vividas por ele e os sentimentos desagradáveis que são produto das memas, além de identificar respostas diferentes e mais adequadas para determinadas situações, aumentando assim o repertório comportamental.  

A partir do que foi exposto pode-se considerar que o terapeuta que trabalha na clínica infantil deve estar atento ao comportamento de fantasiar, pois, a partir do mesmo será possível identificar a função desse na vida da criança. Lidar com a fantasia possibilita a construção de uma intervenção que contribua para com o indivíduo na identificação dos sentimentos, na descrição do repertório comportamental, e na coleta de dados fundamentais para que seja feita a análise funcional. 

 

REFERÊNCIAS 

BUENO, Silveira. Minidicionário da língua portuguesa – Ed. Ver. E atual. São Paulo:FTD,1996. 

HABER,Gabriella Mendes; CARMO, João do Santos. O fantasiar como recurso na clínica comportamental infantil. In: Revista Brasileira de Terapia Comportamental Cognitiva, 2007, v. IX, nº 1, p. 45-61. 

REGRA, Jaíde A. G. A fantasia infantil na prática clínica para diagnóstico e mudança comportamental. Cap. 22; p. 186-194. In: WIELESKA, Regina Chistina org. Sobre comportamento e cognição: psicologia Comportamental e cognitiva – Questionando e ampliando a teoria e as intervenções clínicas e em outros contextos. Santo André, SP: ARBytes, 2000, v.6. 

PENTEADO,  Lylian.C. P. Fantasia e imagens da infância como instrumento de diagnóstico e tratamneto0 de um caso de fobia social. Cap. 32; p. 267-275. In: WIELESKA, Regina Chistina org. Sobre comportamento e cognição: psicologia Comportamental e cognitiva – Questionando e ampliando a teoria e as intervenções clínicas e em outros contextos. Santo André, SP: ARBytes, 2000, v.6. 


[i] Aluna do 10º período do curso de psicologia do Centro Universitário Newton Paiva. 

[ii] Professora supervisora de estágio do curso de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva 

Discussão

Os comentários estão desativados.

Núcleo de Publicações Acadêmicas Newton Paiva

A REVISTA DE PSICOLOGIA é uma publicação do Curso de Psicologia e desenvolvida pelo Núcleo de Publicações Acadêmicas do Centro Universitário Newton Paiva