//
você está lendo...
EDIÇÃO 2

E2 – 67 Motivação: causas e benefícios no trabalho

 Girlaine Maria da Cunha[i]
Denise Rossi[ii] 

RESUMO 

O presente artigo objetiva elaborar uma análise gradual e cuidadosa da causa e benefício da motivação, em decorrência dos resultados da empresa, sua importância e gravidade. Busca também exaltar os aspectos estruturais, disposição, adaptação e ordem, buscando aprimorar a percepção, de forma a evidenciar como a equipe motivada pode auxiliar no âmbito organizacional em uma nova perspectiva estrutural física e emocional. Discorre-se ainda, sobre a importância dos fatores, internos ou externos, que irão influenciar na relação deste profissional com a organização. Este trabalho utiliza-se da pesquisa de clima realizada em um Instituto de seleção de estagiários de forma a contextualizar o tema. 

 Palavras-chave: Motivação. Ambiente. Dinâmica organizacional. Interação social. Subjetividade.

 

 1-    INTRODUÇÃO 

O presente artigo objetiva relatar a importância da motivação no ambiente de trabalho. O tema proposto foi desenvolvido através do resultado da parceria do estágio supervisionado IV (Psicologia do Trabalho I) do curso de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva com o Instituto . A prática do estágio constituiu em identificar os indicadores para o Diagnóstico de Clima Organizacional, levantando os aspectos humanos e comportamentais do trabalho. A pesquisa quantitativa e realizou-se com o QDO[iii] (Questionário de Diagnostico Organizacional) e avaliou oito indicadores: Postura dos funcionários 78%, Propensão à mudança 58%, Mecanismos de apoio 69%, Recompensas 49%, Relacionamentos 82%, Liderança, 78% Estrutura 62% e Objetivos 69%. O indicador recompensa que foi um dos apontados com o menor índice de satisfação entre os pesquisados. Tais aspectos sugeriram à aluna pesquisadora esta temática para a investigação teórica neste artigo.

 

 2-    REFERENCIAL TEÓRICO 

Para Robbins (2002), motivação é efeito da influência mútua do individuo com a situação, ou seja, ela é responsável pela “intensidade direção e persistência dos esforços de uma pessoa para alcançar uma determinada meta”. Assim, entendemos motivação como esforço que buscamos para alcançar uma meta, deixando claro que a intensidade dessa energia é muito importante, e as duas devem ir ao encontro com o caminho dos objetivos da organização.  

O termo motivação vem sendo estudado há muitos anos, e cada vez mais se entende a necessidade e importância desta nas relações de trabalho. Nas teorias contemporâneas achava-se que a motivação poderia ser compreendida como uma hierarquia das necessidades, onde cada indivíduo, de acordo com suas necessidades, tinha suas motivações. Eles acreditavam que a esta poderia ser muitas das vezes resolvida com os fatores extrínsecos ao sujeito (ROBBINS, 2002). 

A teoria desenvolvida por McGregor propôs a existência de duas premissas quando se falava de ser humano: a gestão participativa caracterizada pela teoria Y, onde o indivíduo preza pelo autodesenvolvimento, o trabalho e visto como algo que proporciona prazer, ou seja  quanto mais responsabilidades mais encantado o individuo evidencia ao trabalho. E a Teoria X que preza pelo estilo tradicional autocrático onde o individuo precisa ser coagido e pressionado visto que para este o trabalho é encarado como uma obrigação (ROBBINS, 2002) 

Outra teoria importante quando se fala de motivação é o conjunto de fatores, nomeado como “fatores higiênicos e motivacionais”, desenvolvida por Herzberg. Os fatores higiênicos referem-se às condições que rodeiam o empregado, ou seja, fatores extrínsecos ao ambiente, englobando as condições físicas e ambientais do trabalho. Contudo o autor considera esses fatores muito limitados em sua capacidade de estimular o comportamento dos empregados, eles dedicam a evitar a insatisfação e não em motivá-los. Cada vez mais se percebe que a motivação é um fator intrínseco, ou seja, algo que vem ao encontro com o sujeito sem um modelo ideal, em que pode ser descrito como oportunidades de crescimento, responsabilidade e envolvimento com o trabalho em si; tomar decisões e implantá-las, realização e autoestima. Assim, para Herzberg, o trabalho só proporciona prazer se ele der possibilidade do sujeito ir ao encontro de sua satisfação intrínseca, algo que o impulsiona a buscar novos desafios, sendo que esses podem ser de diferentes jeitos ou formas. (ROBBINS, 2002) 

Segundo Bergamini (1993) 

… “percebe-se que a felicidade motivacional e função de uma árdua e profunda luta de cada um e que não há ninguém que possua um molde especial que na qual se possa cunha-la a granel”. Pág 16 

Para Robbins (2002), atualmente, através das teorias contemporâneas, entendemos que a motivação é um fator interno que pode ser complementado com os fatores externos, visto que o desejo de realizar algo surge da subjetividade, ou seja, motivo ou necessidades do ser humano em obter aquela resposta, em que suas experiências, cultura, necessidades de existência, relacionamento e o desejo de crescimento influenciam diretamente no seu comportamento e na intensidade do mesmo. Isso por que à medida que o sujeito vivencia e experimenta sua história, ele passa a escolher prioridades e preferência.  As pessoas agem de forma a satisfazer suas necessidades, o que muitas das vezes se torna incompreensível na organização. Esta é uma forma de explicar por que as pessoas se comportam ou agem de tal forma, ou seja, “motivos para fazer o que fazer”. Explicando melhor a motivação é um motor que leva à ação.  

De acordo com Bergamini (1993), qualquer pessoa possui seu sinal motivacional, ou seja, o sinal é a justificativa de suas escolhas, que estão totalmente ligadas a sua origem: seu modo pessoal de ser e de dar o devido valor a determinado fato ou acontecimento. “As pessoas não fazem a mesma coisa pela mesma razão”.  Assim, cada um procura os seus interesses e as formas de conseguir pôr em pratica, tais objetivos.  

Freud (1974) relata que a necessidade, desejo, ação e satisfação das pessoas estão ligadas a um desejo inconsciente, algo de sua experiência que foi recalcado ou reprimido, que por tais fator adquire força própria em uma direção e será emitido em forma de gozo em determinada situação. Fator esse que nos deixa entender como cada experiência passada carrega sua responsabilidade, para aquilo que hoje e motivo de satisfação. Assim compreende a abrangência do termo motivação, pois a motivação do indivíduo está ligada a toda uma historia passada.  E assim não se pode ter ambiguidade quando falamos dessa força interna, pois não existe história com características e significados iguais. 

Para Chiavenato (2003), para entender o comportamento das pessoas é preciso avaliar sua motivação e tudo aquilo que estimula a pessoa a agir de determinada forma “a motivação constitui um importante campo do conhecimento da natureza humana e da explicação do comportamento humano”. Assim fica claro que a motivação é algo intrínseco ou extrínseco.  Intrínseco por que vem da subjetividade do individuo, e extrínseco por que pode ser alterada através dos estímulos que a organização proporciona ao individuo. 

De acordo com Bergamini (1993) existe uma falta interna que deve ser ocupada. Esta só se realizara quando encontrar seu combustível, que será considerado como produtor da satisfação. Assim, no momento em que houver a fusão dessa necessidade com a satisfação do desejo, terá ocorrido o “ato motivacional”, pois a falta é preenchida pela exultação da necessidade. Esse processo se repete por toda a história, e em cada momento os mecanismos motivacionais construirão tudo novamente, cada vez de forma diferente, sendo único e novamente inexplicável cada ato motivacional. 

Para esta autora, 

… Cada tipo de personalidade da origem a uma diferente orientação comportamental em termos de características motivacionais, o que confirma que, embora as pessoas façam coisas parecidas, suas rações e maneiras de agir lhes são particularmente diferentes…  Bergamini (1993) Pag 94 

Não é simples para a organização entender e estimar as causa e desígnio de cada um. E não se pode esquecer que a pessoa que está na tentativa de entender tais motivos, provavelmente tem motivos e intenções motivacionais diferentes. Por tais fatores entendemos que seja necessário que as organização estejam dispostas a vislumbrar desse sujeito os motivos internos e os desejos que lhe impulsiona, para que esta energia seja canalizada nos objetivos da organização e, para isso, é necessário ir de encontro desse grande desafio que quando bem desenvolvido resulta em uma equipe motivada. 

Trabalhar com o homem é manejar uma ferramenta imprecisa, onde é necessário um manejo por parte da empresa, para conseguir dar a manutenção necessária para que essa ferramenta trabalhe bem e “motivado”. Esse manejo, muitas das vezes, pode ser confundido como um condicionamento, ou seja, uma forma de modificar comportamento através de estímulo-resposta. O que nos leva a pensar que os fatores extrínsecos podem ser reforçados, mas eles sozinhos não conseguem aumentar a motivação desses indivíduos. De tal modo que fica clara que os fatores higiênicos desenvolvidos por Herzberg são importantes, mas não suficientes.  

Para Bergamini (1993), uma alternativa para entender a motivação dentro de uma organização é agrupar as pessoas de acordo com seus objetivos, mas de forma a entender particularmente quais os meios de cada um perpetraria para atingir esse objetivo da organização. Ou seja, não é a organização que traça o caminho a ser seguido, ela pode traçar a meta dessa equipe, mas cada um deve utilizar dos meios que lhe impulsiona a fazer tais objetivos. 

Em outros termos as pessoas trazem de suas experiências seus desejos e impulsos. Assim, quando alguns desses fatores são colocados à mostra, obtemos o resultado com maior ou menor apontador de satisfação, e cabe a empresa se atentar para tal informação. 

Segundo Bergamini (1993)

Se as organizações estiverem devidamente atentas para esse aspecto poderiam evitar muitas medidas de caráter geral que tomam e podem ser consideradas como altamente desmotivante…. da mesma forma desistiriam de encontrar formulas mágicas ou medidas impessoais no afã de motivar seus pessoais.      

Deste modo, o trabalho desenvolvido por um determinado grupo que possua o mesmo objetivo, vai ser criado de formas diferentes e em consequência um sentido diferente, esse sentido pode ser ligado a fatores externos como os de necessidades básicas de cada um, o que diferencia um do outro. Já os motivos intrínsecos esclarecem a importância de tal atividade, assim o individuo procura em seu trabalho uma forma de buscar desafios que estejam de acordo com seus interesses e estes não devem ser muito fáceis, pois não será capaz de motivá-lo, nem muito difíceis, pois o frustrará quando vir a dificuldade em alcançá-los. Assim, quando a empresa auxilia nesta busca de autorrealização, o individuo se envolve na procura de objetivos que os motivam intrinsecamente, este por conseqüência, atendem suas necessidades e ainda são bem vistos e incentivados pela empresa, sendo que o resultado desse conjunto de satisfação gera um profissional motivado, fator importante e fundamental para o direcionamento de uma organização.  

Para Robbins (2002), outras formas que auxiliam a empresa nessa busca de motivação em sua equipe são os programas motivacionais, que vão desde o “muito obrigado” espontâneo até programas formais explícitos, nos quais tipos específicos de comportamento são encorajados e os procedimentos para conquista do reconhecimento são identificados claramente. Citaremos e esclareceremos a seguir alguns destes programas. 

A empresa pode implementar um programa de administração por objetivos, atribuindo a este programa o desenvolvimento de seus funcionários. Assim é necessário concentrar o foco geral em um alvo especifico para cada unidade de integração da organização (Robbins, 2002). 

Segundo Robbins (2002). Os meios práticos da organização são revertidos em específicos e cada hierarquia da empresa possui seu objetivo, “isto é, divisão, departamento, individuo”. O resultado é uma hierarquia de objetivos assim todos se unem para o resultado da organização, cada um de sua maneira.   

Portanto, a definição de objetivos visa uma sujeição das metas e este estabelecimento leva o funcionário a um resultado maior, pois possibilita uma resposta imediata de seu desenho. Percebe-se também a necessidade do feedback, pois ele atua como um impulso para os resultado das metas específicas.  

Robbins (2002) relata a necessidade de a empresa estar atenta aos reforços que a mesma estabelece aos seus funcionários, pois este pode ser o motivador, que o impulsiona a alcançar seus objetivos, podendo vir de um muito obrigado até programas específicos de reconhecimento. Ele demonstra ao funcionário uma importância imediata a tal ato, que por sua vez reforça e condiciona que esses comportamentos ocorram novamente.   

 

 3-    CONSIDERAÇÕES FINAIS  

Após esta investigação teórica e da pesquisa de clima realizada no Instituto onde a pesquisa realizou-se percebe-se, portanto que é imprescindível que se entenda e conheça de forma sistêmica toda a cultura da organização para que se possa caminhar junto com os “norteadores motivacionais” que resultarão para ela em uma forma explícita dos motivos de tais práticas. Portanto, a partir do momento em que a organização passar a agir com os fatores intrínsecos, a mesma alcançará resultados duradouros, e os fatores extrínsecos vão agir como complemento dos interesses dos funcionários na organização. Assim, é necessário que a Gerência de Estágio do Instituto troque o motor que direciona e impulsiona esses profissionais, entendendo a origem do problema e investindo nos talentos que, quando motivados, poderão oferecer grande resultados.  

É como o indivíduo se sente a respeito de seu trabalho. Aqui é importante ressalvar a realização das atividades, ou seja, qual o conteúdo de trabalho e da responsabilidade que estes profissionais exercem.  Os fatores motivacionais são os que produzem satisfação e aumento de produtividade em níveis de excelência, e consequentemente progresso profissional.  

A cultura do Instituto busca jovens em formação, assim a maioria dos profissionais envolvidos são estudantes que iniciaram sua carreira profissional e hoje já estão concluindo sua graduação. No entanto, os mesmos desenvolvem as mesmas funções de quando iniciaram sua carreira. Percebe-se na pesquisa realizada satisfação geral em todos os indicadores, exceto no indicador recompensas.  

Através desse estudo teórico, entende-se que falta oferecer a estes profissionais novos conhecimentos a partir do desempenho pessoal de cada um, e assim, quando apresentarem performance e vontade intrínseca, estes terão possibilidade de realizar e conhecer outras atividades. Sabe-se que a cada vez mais busca-se nos desenvolver e alcançar a autorrealização, e quando fala-se em profissionais em formação sabe-se que o conhecimento é um norteador motivacional.   

Desta forma, a motivação consiste em alinhar as informações e percepções no mundo das organizações, de forma que as ações sejam planejadas com maior coerência em seus propósitos.  Por fim, este estudo sugere ao Instituto realizar ações que diferencie os potenciais e desempenhos que possuem na empresa, e que o mesmo programe treinamentos para desenvolver as competências de seus profissionais e valorize constantemente os avanços através dos feedbacks, podendo assim comemorar as vitórias de sua equipe motivada.

 

 REFERÊNCIAS 

ROBBINS, Stephen. P.Comportamento organizacional. 9 ed. São Paulo: Prentice Hall, 2002. 485 p.  

CHIAVENATO, Idalberto. Administração nos novos tempos. Rio de Janeiro: Campus, 2003. xxviii, 710 p. 

FREUD, Sigmond. O mau-estar na civilização. Rio de janeiro: imago, 1974. p. 

BERGAMINI, Cecília Whitaker. Motivação. 3. ed. Atlas, 1993  

FONSECA, Kátia. O que é motivação. Disponível em: <http://www.rh.com.br/Portal/Motivacao/Artigo/4285/o-que-e-motivacao.html&gt;. Acessado em 13 de outubro de 2009.

 


 

[i] Acadêmica do curso de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva 

[ii] Professora supervisora de estágio do curso de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva 

[iii] Patenteado e disponibilizado pela Professora do Centro Universitário Newton Paiva Denise Rossi.

Discussão

Os comentários estão desativados.

Núcleo de Publicações Acadêmicas Newton Paiva

A REVISTA DE PSICOLOGIA é uma publicação do Curso de Psicologia e desenvolvida pelo Núcleo de Publicações Acadêmicas do Centro Universitário Newton Paiva