//
você está lendo...
EDIÇÃO 2

E2- 71 Uma abordagem acerca do psicólogo organizacional

Luciana de Oliveira Amaro1
Karlysson de Castro2

RESUMO

As organizações apresentam uma necessidade de tornarem-se cada vez mais competitivas devido à globalização, mantendo de forma continua sua qualidade e visando a melhoria de seu desempenho. Para que ocorram mudanças é fundamental conhecermos o modelo de gestão, para podermos implantar o modelo de intervenção proposto a promover mudanças. Concluímos que toda intervenção desenvolvida proporciona certo grau de ansiedade ao processo de mudanças.

Palavras-chave: Gestão. Cultura. Clima. Mudança e Psicologia Organizacional.

A ENTRADA DO PSICÓLOGO NAS ORGANIZAÇÕES

No inicio do século XX, a Psicologia entra nas organizações a partir da formulação da Abordagem Humanística da Administração. Nesse momento, a ênfase no trabalho é deslocada da tarefa e da estrutura organizacional para as pessoas.

A primeira face da Psicologia do Trabalho surge atrelada aos interesses das indústrias, instrumentalizando alguns pressupostos do taylorismo. Baseia-se no aspecto produtivo e resumia-se inicialmente à seleção e à colocação profissional, o que gerou o nascimento de uma organização americana denominada Psychology Corporation para desenvolver e distribuir testes psicológicos e realizar serviços de consultoria a indústrias e outras organizações (SAMPAIO, 1998).

Sua função era a verificação das características pessoais através de testes, chamada de seleção científica. Desenvolvia ainda trabalhos de colocação profissional, orientação vocacional, baseada em testes e estudos sobre as condições de trabalho com intuito de aumentar a produtividade. Essa forma de atuação da psicologia denomina-se Psicologia Industrial, que desenvolveu os seguintes temas: a seleção (com base na psicometria), a classificação de pessoal, a avaliação de desempenho, as condições de trabalho, o treinamento e a liderança (SAMPAIO, 1998). Surge então a necessidade de se estudar as estruturas da organização, nascendo portando a Psicologia Organizacional. Vários trabalhos foram desenvolvidos no sentido de aumentar a produção através da motivação do trabalhador. Esses trabalhos vinham desde a seleção de pessoal, passando pelo estudo sobre reforçadores do clima e da cultura, estudos sobre fadiga, prevenção de acidentes, treinamento e desenvolvimento de recursos humanos.

A Psicologia Organizacional não foi uma ruptura radical com a Psicologia da Indústria, e sim uma ampliação do objeto de estudo, visto que os psicólogos continuavam atrelados ao problema da produtividade das empresas (SAMPAIO, 1998).

È importante citar algumas tarefas do Psicólogo nas Organizações para ilustrar como esse se posiciona no contexto organizacional: Seleção e Colocação de Pessoal – Planejamento de Recursos Humanos Treinamento de Pessoal – Desenvolvimento de Recursos Humanos – Avaliação de desempenho – Saúde Mental no trabalho – Plano de cargos e salários – Condições de trabalho – Mudança e Análise das Organizações – Ensino e Pesquisa – Gerência: ocupar cargos de gerência das áreas de atuação da Psicologia do Trabalho; ocupar cargos de gerência em áreas afins (como RH, por exemplo) (SAMPAIO 1998).

A profissão do Psicólogo Organizacional tem sido tema de reflexão, discussão e estudos por parte dos profissionais que a exercem. Esses estudos buscam não só compreender os determinantes histórico-sociais que moldaram o perfil de atuação do psicólogo hoje, como também questionar a sua prática na perspectiva ética de sua profissão (BASTOS, 1992).

O desenvolvimento dos conceitos e técnicas para lidar com os desafios continuamente estiveram vinculados a uma base ou a antecedentes sociais e culturais (ZANELLI, 2008, p.489).

Ainda hoje, os profissionais de Recursos Humanos são vistos como mais uma ferramenta de manipulação dos trabalhadores dentro das organizações. Talvez por uma dificuldade do psicólogo em encontrar uma maneira de se posicionar dentro da empresa, visto que ele realmente é mais um trabalhador desta.

Esse posicionamento do profissional de Recursos Humanos é levantado a partir do pressuposto que o empresário tem como única preocupação o lucro. Sendo assim, os indivíduos que compõem o seu quadro de funcionários são apenas recursos utilizados para a obtenção desse lucro, não reconhecendo que os recursos humanos; e por tanto dotados não somente de talentos, mas também de limitações próprias de sua espécie, variam de indivíduo para indivíduo (ZANELLI, 2008)

Devido à globalização, o empresário deve oferecer serviços e produtos de qualidade para garantir seu espaço no mercado de trabalho. Por isso, foram construídas políticas de qualidade nas empresas, onde um de seus itens foca a valorização dos trabalhadores (AZEVEDO, 1993).

Outro fator que se faz importante na atuação do psicólogo organizacional é seu papel de agente de saúde mental. O psicólogo da empresa reflete sobre essa responsabilidade que lhe compete (LADEIRA, 1996).

Contudo, a importância deste trabalho baseia-se em chamar atenção dos psicólogos para a constante reflexão sobre o lugar que estão ocupando nas organizações e as possíveis formas de trabalho. Possibilitando-os pensar que, antes de serem trabalhadores, possuem um papel ético e social a cumprir.

 

O Papel do Psicólogo na Instituição  Academia Forma e Equilíbrio

O objetivo do Diagnóstico Organizacional foi promover o conhecimento da organização através do olhar dos funcionários, entendendo os pontos fortes e aqueles que precisam ser desenvolvidos ou melhorados.

Com base nos dados obtidos, a Academia poderá rever os seus processos administrativos, gerenciais e os aspectos motivacionais, estabelecendo as correções necessárias.

Os colaboradores foram submetidos a entrevistas individuais. A partir da análise das entrevistas, foram apontados os seguintes aspectos:

Pontos fortes: festas e eventos, alunos fiéis, clima familiar, diversidade das modalidades, investimentos, professores capacitados, avaliação física, estrutura física, administração, autonomia e localização.

Pontos a serem desenvolvidos: trabalho em equipe, comunicação, limpeza, interação, novas modalidades, retenção de alunos e recepção.

De acordo com os funcionários, no geral, a imagem da empresa está relacionada a uma boa academia, sendo considerada a melhor da região, com boa localização e estrutura. O ambiente de trabalho é bom, proporciona o trabalho em equipe e qualidade de vida para alunos e professores.

Algumas dificuldades encontradas pelos funcionários para o desempenho do cargo estão relacionadas ao volume do som, sobrecarga de trabalho e falta de comunicação entre os funcionários.

Já como facilitadores, contamos com a estrutura da academia, o ambiente agradável, o bom relacionamento com alunos e apoio da coordenação. A academia investe em treinamentos, estrutura e eventos.

Com relação à tomada de decisões, os professores destacaram que têm autonomia, principalmente nas decisões referentes às aulas. As decisões administrativas são tomadas pela coordenação.

Os relacionamentos de modo geral são satisfatórios. Entretanto, foi destacada a necessidade de melhorias na comunicação interna na academia.

Para trabalhar com retenção de alunos, os funcionários destacam o trabalho em equipe, investimentos na recepção e atenção ao aluno, oferecendo de novas modalidades, melhoria nas atividades das aulas e capacitação dos professores. Investimentos na motivação dos alunos e no marketing também foram destacados.

Também foram elaborados e trabalhados diversos painéis com professores e coordenadores para avaliar a comunicação, liderança e trabalho em equipe. Através desses painéis, os colaboradores falaram abertamente sobre seus desafios, metas, e planejamento para o próximo ano, buscando ativamente a melhoria contínua de seus trabalhos.

Em síntese, assinalamos que vivemos em um mundo cujas transformações se dão de forma acelerada. Essas mudanças afetam significativamente as organizações.

 

REFERÊNCIAS

AZEVEDO, Marco Antônio. A formação do Psicólogo Organizacional e alguns dilemas da Psicologia como Ciência. Belo Horizonte, 1993.

BASTOS, Antônio Virgílio Bittencourt. O que pode fazer o Psicólogo Organizacional. Revista Psicologia Ciência e Profissão, v.10 n.1 Brasília 1990. Disponível em: <www.pol.org.br>. Acesso em 19/09/09.

LADEIRA, Marcelo Bronzo. O Processo do Estresse Ocupacional e a Psicopatologia do Trabalho. São Paulo: Revista de Administração. V 31, n1, p. 64-74, março 1996.

SAMPAIO, Jader dos Reis: As três faces da Psicologia do Trabalho. In: Psicologia do Trabalho e Gestão de Recursos Humanos: estudos contemporâneos. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1998.

ZANELLI, José Carlos; BORGES-ANDRADE, Jairo Eduardo; BASTOS, Antônio Virgílio Bittencourt (Orgs). Psicologia, Organizações e Trabalho no Brasil. Porto Alegre: Artmed, 2008. 

 

1 Acadêmica do Curso de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva. 

2  Professor supervisor de estágio do curso de Psicologia do Centro Universitário Newton Paiva.

Discussão

Os comentários estão desativados.

Núcleo de Publicações Acadêmicas Newton Paiva

A REVISTA DE PSICOLOGIA é uma publicação do Curso de Psicologia e desenvolvida pelo Núcleo de Publicações Acadêmicas do Centro Universitário Newton Paiva